Botafogo abre boa vantagem, leva gol, mas vence o Colo-Colo pela Libertadores

Glorioso derrotou a equipe chilena por 2 a 1 em duelo no Nilton Santos

Por O Dia

Rio - Poderia ter sido melhor, mas a estreia do Botafogo na Libertadores foi com o pé direito. Com o estádio Nilton Santos bastante cheio, o Glorioso derrotou o Colo-Colo por 2 a 1 no confronto de ida pela fase preliminar da competição nesta quarta-feira. O Glorioso chegou a abrir uma vantagem maior, mas permitiu a reação dos rivais.

Os dois gols do Glorioso foram marcados no primeiro tempo. Airton abriu o marcador para os cariocas e Esteban Pavez, contra, balançou as redes do time chileno, depois de boa jogada de Rodrigo Pimpão. Na segunda etapa, Paredes diminuiu para os visitantes.

O duelo de volta entre as equipes acontece na próxima quarta-feira em Santiago. O Botafogo joga por uma empate para se classificar. Caso avance de fase, o Glorioso vai enfrentar o vencedor de Independiente Del Valle, do Equador, e Olímpia, do Paraguai.

Botafogo passou pelo Colo-Colo no Rio de JaneiroReprodução Twitter

O JOGO

O clima de decisão era nítido no Rio. Antes de começar a partida, a torcida do Botafogo deu um espetáculo, com músicas, gritos e um belo mosaico: "Lutem por nós". A animação das arquibancadas gerou nervosismo na equipe, com jogadas ríspidas e passes errados. Por isso, foi o Colo Colo quem fez a primeira finalização, quando Paredes foi acionado e cabeceou para fora.

Os chilenos tiveram nova chance aos 24, quando Riveros driblou Jonas e chutou forte em cima de Gatito Fernández, que defendeu em dois tempos. O novo susto serviu de alerta ao Botafogo, que reagiu. Aos 27, Camilo deu bom passe para Montillo. O meia dominou e driblou o marcador, mas finalizou sem força.

Torcida alvinegra fez bela festa no EngenhãoReprodução Twitter

A tentativa da dupla deu início a forte pressão, com marcação alta. Foi assim que saiu o gol. Aos 29, a defesa do Colo Colo afastou a bola nos pés de Airton, que dominou e chutou forte de fora da área para fazer 1 a 0.

O jogo que era truncado, ficou ainda mais. Após um início discreto, Montillo assumiu a função de conduzir o Botafogo e era quem criava as melhores chances. O Colo Colo tentava acabar com a pressão, mas viu a situação se agravar aos 40 minutos, quando Montillo entrou na área. O argentino finalizou fraco, Baeza chutou forte para afastar o perigo, mas viu a bola bater em Pavéz e enganar o goleiro Justo Villar: 2 a 0.

A vantagem no placar só não virou conforto por causa da lesão no braço de Airton. Sem o volante, o técnico Jair Ventura foi ousado e colocou João Paulo no segundo tempo. Nos primeiros minutos pareciam que a mudança havia sido boa, quando Camilo quase ampliou a vantagem, em cobrança de falta. Porém, aos cinco minutos, Paredes recebeu livre na área e chutou no contrapé de Gatito para diminuir: 2 a 1.

Sem Airton, o Botafogo se perdeu e ficou cada vez mais próximo de sofrer o empate. Aos 16 minutos, Morales chutou de fora da área e Gatito Fernández espalmou nos pés de Paredes, impedido. O goleiro botafoguense teve novo problema aos 30 minutos, quando a defesa deixou um buraco frente à área e ele teve de sair para afastar o perigo.

Nos minutos finais do jogo, novo drama para o Botafogo. Aos 44, minutos, Paredes cobrou falta na entrada da área e fez Gatito Fernández fazer mais uma boa aparição, que garantiu vitória importante para o time seguir vivo no sonho da Libertadores da América.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 2 X 1 COLO COLO

Local: Estádio Engenhão (RJ)
Arbitragem: Juan Soto (Venezuela)
Renda/Público: R$ 1.898.390,00/34.424 pagantes (38.357 no total)
Cartões Amarelos: Matheus Fernandes e Jonas (Botafogo); Barroso, Valdéz e Ramón Fernández (Colo Colo)
Cartões Vermelhos: -
Gols: Airton, aos 29, e Pávez (contra), aos 40 minutos do primeiro tempo. Paredes, aos 5 minutos do segundo tempo.

BOTAFOGO - Gatito Fernández; Jonas, Marcelo, Emerson Silva e Victor Luis; Airton (João Paulo), Bruno Silva, Camilo (Matheus Fernandes) e Montillo; Rodrigo Pimpão e Roger (Joel). Técnico: Jair Ventura.

COLO COLO - Justo Villar; Baeza, Barroso, Zaldivia (Fierro); Pávez, Valdéz, Luis Figueroa, Véjar (Mark Gonzáles) e Ramón Fernandéz (Morales); Paredes e Rivero. Técnico: Pablo Guede.

Com informações do Estadão Conteúdo