Mistão do Botafogo segura Cruzeiro e arranca ponto fora de casa

Time de Jair Ventura, repleto de reservas, foi salvo pela trave duas vezes, mas quase venceu o jogo em lance incrível no final da partida

Por O Dia

Belo Horizonte - O Botafogo foi ao Mineirão neste domingo com um time cheio de reservas e conseguiu um valioso ponto fora de casa, ao empatar em 0 a 0 com o Cruzeiro.

O time de Jair Ventura foi salvo pela trave duas vezes e teve como grande mérito a forte defesa montada, que parou várias vezes o ataque cruzeirense. Mas no final da partida quase que o Alvinegro consegue os três pontos. Marcus Vinicius, livre, perdeu um gol que provavelmente encerraria o jejum de quatro jogos sem vitórias.

O Botafogo volta a campo nesta quinta-feira, para a partida decisiva contra o Nacional, do Uruguai, pelas oitavas de final da Libertadores. O jogo será no Engenhão. Na ida, o Glorioso venceu por 1 a 0, na casa do adversário.

O Botafogo segurou o Cruzeiro e quase venceu o jogo%2C mas voltou com o empate de Belo HorizonteWashington Alves/Light Press/Cruzeiro

O jogo: Cruzeiro para na trave e Botafogo perde grande chance

O Botafogo passou os primeiros minutos acuado pelo Cruzeiro, que por pouco não abriu o placar. Primeiro com Sassá, aos 2, que parou em Gatito. Depois, em chute de Rafinha, que bateu na trave. O time da casa botava pressão e não saía do campo alvinegro.

Sassá estava querendo jogo, e aos 14, de novo pela esquerda botafoguense, passou por dois marcadores e chutou cruzado, mas Alisson não alcançou. O Cruzeiro permanecia pressionando.

Mas a partir dos 25 minutos, o jogo ficou truncado e faltoso, com o Botafogo acalmando o ímpeto cruzeirense e trocando passes, mas sem assustar o gol de Fábio. O primeiro tempo parecia acabar sem emoção, mas teve. Negativa para os botafoguenses: Valencia puxou contra-ataque e tinha Guilherme, livre pedindo bola, mas se enrolou e acabou perdendo o que poderia ser a melhor chance do time de Jair Ventura.

O Cruzeiro repetiu o enredo do primeiro tempo no segundo e pressionava o Botafogo, que só se defendia. Mas foi o time visitante quem assustou primeiro, com boa cabeça de Emerson Silva aos 10 minutos. A bola passou à direita do gol defendido por Fábio.

A equipe de Mano Menezes continuava com a bola, mas esbarrava na forte marcação armada por Jair Ventura e só conseguia chegar ao gol de Gatito em chutes fora da área, como dois disparados por Thiago Neves. E por bolas alçadas na área. Aos 32, Robinho levantou, mas Sassá não achou. Aos 35 minutos, em novo cruzamento, Thiago Neves ajeitou de cabeça e Alisson cabeceou no pé da trave esquerda de Gatito.

O time de Jair só escapava com Guilherme, que fez boa partida. Aos 36, um contra-ataque promissor do atacante foi travado pela zaga mineira. O Cruzeiro se lançava na tentativa de um gol e dava espaço. E como no primeiro tempo, o último lance levou os torcedores do Botafogo ao desespero. Aos 42, na melhor chance do jogo, Guilherme puxou contra-golpe, dessa vez pela direita, passou para Marcus Vinicius, sem marcação, pegar de primeira. A bola incrivelmente não entrou, riscando a trave esquerda de Fábio e o zero não saiu do placar.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 0 X 0 BOTAFOGO

Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

PÚBLICO - 19.030 pagantes (22.691 total)

RENDA - R$ 457.410

ÁRBITRO - Claudio Francisco Lima e Silva (SE).

CARTÕES AMARELOS - Sassá, Lucas Silva e Diogo Barbosa (Cruzeiro); Dudu Cearense, Valencia e Emerson Santos (Botafogo)

CRUZEIRO - Fábio; Lucas Romero, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Nonoca (Robinho), Lucas Silva, Rafinha (Rafael Sóbis), Thiago Neves e Alisson (Raniel); Sassá. Técnico: Mano Menezes.

BOTAFOGO - Gatito Fernandez; Emerson (Renan Fonseca), Marcelo, Emerson Silva e Gilson; Dudu Cearense, Rodrigo Lindoso, Bruno Silva e Léo Valencia (Marcus Vinícius); Guilherme e Brenner (Vinícius Tanque). Técnico: Jair Ventura.