Botafogo segura o Atlético Mineiro e empata fora de casa

Alvinegro sofreu pressão do Galo, mas volta de Belo Horizonte com um ponto valioso

Por O Dia

Belo Horizonte - Em partida válida pela 31º rodada do Campeonato Brasileira, o Botafogo segurou o ímpeto do Atlético Mineiro, neste domingo, e empatou em 0 a 0 na casa do adversário, na Arena Independência, em Belo Horizonte. 

O time de Jair Ventura até começou a partida se impondo, assustando o Galo, mas deixou o ritmo cair no final do primeiro tempo e sofreu pressão dos mandantes, que colocaram uma bola na trave com Rafael Moura no segundo tempo.

Com o resultado, o Botafogo foi a 48 pontos, se mantendo no G6, na zona que classifica para a Libertadores, e volta a campo no próximo domingo, às 19h, para o clássico contra o Fluminense no Engenhão. Já o Atlético Mineiro fica com 42 pontos e se afasta da briga pela Libertadores.

Fred é bloqueado por Carli. Botafogo parou ataque do Galo em pleno IndependênciaReprodução/Facebook/Atlético Mineiro

O jogo: Botafogo começa bem, mas Galo domina

O primeiro tempo teve três momentos distintos. O primeiro, lá e cá, com o Botafogo ameaçando o gol de Victor antes do primeiro minuto da partida, depois que Matheus Fernandes roubou a bola na saída de bola atleticana. Gilson cruzou da esquerda, mas zaga afastou. Aos 4 minutos, resposta com Otero, que em boa jogada individual, bateu para defesa de Gatito. No rebote, o próprio meia isolou boa chance.

O segundo momento: o time de Jair passou a se impor, subiu a marcação, roubou bolas e dominava o jogo. Aos 15, chute de Victor Luis e aos 18, Brenner, que cabeceou bola se antecipando a Bruno Silva, que estava em melhor condição de finalizar.

No terceiro momento, as ações se inverteram. A bola passou a ficar mais com o Atlético, mas as investidas ora paravam em Gatito, como em chute de Robinho aos 31, ora no já tradicional bloqueio defensivo botafoguense. E o primeiro tempo terminou sem gols.

Já o segundo tempo, só deu Galo, que voltou controlando as ações. O Botafogo só se defendia, sem conseguir assustar nem em contra-ataques. A aposta do time de Oswaldo de Oliveira era pelos lados, principalmente o esquerdo. Aos 16, em jogada que começou por ali, Otero finalizou bonito fora da área, mas a bola passou à direita de Gatito. Dois minutos depois, o venezuelano novamente teve boa chance, mas bateu por cima das traves.

O Galo não conseguia furar o bloqueio botafoguense. E a melhor chance da partida até então seria do Alvinegro carioca, que enfim, encaixou um bom contra-golpe aos 29. Arnaldo fez excelente jogada, cruzou para Pimpão, na área, ajeitar para Guilherme. O atacante limpou o zagueiro e ficou frente a frente com Victor, mas o goleiro conseguiu defender.

O Galo não demorou a responder. Aos 38, em contra-ataque após erro de passe botafoguense, Rafael Moura recebeu pelo meio, limpou a marcação e bateu de fora da área, rasteiro. A bola queimou a trave direita de Gatito. No minuto seguinte, em cruzamento da direita, Rafael Moura subiu mais que a zaga do Botafogo e quase marcou de cabeça, mas a bola passou à esquerda do gol visitante.

No abafa, o time da casa tentava jogar a bola na área e reclamou de dois lances, mas Sandro Meira Ricci não foi na dos atleticanos e o jogou terminou mesmo sem gols para nenhum dos dois lados.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG x BOTAFOGO

Estádio: Independência, em Belo Horizonte (MG);

Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa-SC);

Assistentes: Emerson Augusto Carvalho (Fifa-SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP);

Cartões amarelos: Elias (ATL), João Paulo e Joel Carli (BOT);

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Elias, Valdívia (Cazares, intervalo) e Otero (Rafael Moura, 33/2T); Robinho (Clayton, 45/2T) e Fred. Técnico: Oswaldo de Oliveira;

BOTAFOGO: Gatito Fernández; Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luis (Guilherme, 17/2T); Matheus Fernandes, Bruno Silva, Gilson e João Paulo; Rodrigo Pimpão (Dudu Cearense, 39/2T) e Brenner (Vinícius Tanque, 25/2T). Técnico: Jair Ventura.