Fla-Flu: filhos prometem 'presente de grego' para os pais

Clássico vai agitar o Dia dos Pai e promete ser de emoção

Por O Dia

Rio - O Fla-Flu deste domingo colocará frente a frente criador e criatura. Com o futebol nascido de uma dissidência do Fluminense, o Flamengo tentará dar um presente de grego no Maracanã neste Dia dos Pais. E o clima de rivalidade entre pai e filho não ficará só dentro do estádio. Depois do almoço dominical, dos abraços e da entrega de presentes, flamenguistas e tricolores vão dividir o sofá para assistir ao clássico.

Filho do rubro-negro Osmar%2C Henrique virou tricolor em homenagem ao avôMárcio Mercante / Agência O Dia

O universitário Henrique Magalhães já teve os seus dias de rubro-negro, mas trocou de time por causa do avô, Osmar, ainda pequeno.

“Todo mundo nasce flamenguista. Eu virei tricolor em homenagem ao meu avô. Lembro de estar no carro e perguntar para meus pais qual era o time dele, e dizer: ‘Então eu vou virar Fluminense’. Ele tinha morrido naquela semana”, explicou.

A troca de camisa de Henrique não foi a primeira na família Magalhães. O pai, Osmar Junior, frequentou Fla-Flus no lado tricolor na arquibancada durante a juventude. Apesar de estar cercado pela torcida adversária, o coração dele já era rubro-negro.

“Eu ficava ali com meu pai e os cinco irmãos dele, todos tricolores. Mas eu já torcia escondido pelo Flamengo”, lembrou Osmar, que garante não ter ficado decepcionado por ver o filho torcer pelo rival.

“Hoje eu não seco, não. Quando o Fluminense está jogando, e não é contra o Flamengo, eu torço pelo Flu por causa do Henrique”, completou.

Já na casa da família Mendes aconteceu o contrário. Filho do tricolor Iranildo, Diego escolheu o Flamengo. Único torcedor do Flu na casa, o empresário chegou a comprar uma camisa do Fluminense para a cachorra Lassie.

Filho do tricolor Iranildo%2C Diego promete brincar com pai se o Fla vencer o clássicoAndré Luiz Mello / Agência O Dia

“O pior é que meus filhos e minha mulher são flamenguistas. Sou minoria lá em casa. Estou tentando fazer a nossa cachorra virar tricolor”, brincou Iranildo.

Diego garante que não facilita a vida do pai. Nem no Fla-Flu deste domingo, disputado em pleno Dia dos Pais, o rubro-negro vai poupar Iranildo de provocações.

“Na maioria das vezes eu zoo mesmo. Grito na janela e para a rua toda ouvir também”, revelou o estudante de Engenharia.

Mas, após o jogo, o clima de rivalidade acaba e a paz volta a reinar dentro da casa da família Mendes.

“Quando a gente ganha tem algum atrito, mas logo passa”, comentou Diego.

Reportagem de Roberto Araújo

Últimas de _legado_Brasileirao 2013