Por pedro.logato

Rio - Situações opostas que se refletem nos goleiros. Assim podem ser classificados os momentos atualmente vividos por Botafogo e Vasco, que se enfrentam neste domingo, às 18h30, no Maracanã. Se de um lado Jefferson retorna após servir a Seleção e traz toda a segurança para o Alvinegro, em busca da vaga na Libertadores, do outro, Diogo Silva ainda tenta se afirmar para ajudar o Gigante da Colina a sair da desesperadora zona de rebaixamento.

Quando deixou a Turquia e voltou para o Botafogo na metade de 2009, Jefferson trouxe na bagagem a tranquilidade. Desde então, o Glorioso não teve mais problemas na única posição em que o jogador é autorizado a colocar a mão na bola, o que é motivo de comemoração para o treinador de goleiros Flavio Tenius.

Jefferson é ídolo da torcida alvinegraDivulgação

“Há 20 anos sou treinador de goleiros, mas nestes três anos e meio que estou no Botafogo é o período que o trabalho está mais redondinho. Temos o Jefferson, que é o goleiro mais regular do Brasil, Renan e Milton Raphael, que dão conta quanto têm oportunidade. O ambiente é ótimo e todos lutam pela vaga do outro, como tem que ser. Não tem acomodação”, contou Tenius ao O DIA.

No Vasco, Carlos Germano, ídolo no clube justamente por ter feito história com a camisa 1 e que atualmente é preparador, entretanto, não tem encontrado a mesma facilidade. Desde que Fernando Prass saiu em dezembro, três jogadores foram testados: Alessandro, Michel Alves e Diogo Silva.

O último, que neste Brasileirão já foi titular, voltou para o banco de reservas, mas há algumas rodadas está de volta à equipe, luta para vencer a desconfiança. Enquanto especialistas e grande parte dos torcedores apontam a posição como um dos principais problemas do atual time do Vasco, Diogo Silva tem evitado entrevistas e foi ‘blindado’ pelo clube na última semana.

Diogo Silva vem ganhando espaço no VascoCarlos Moraes / Agência O Dia

O arqueiro, porém, conta com o apoio do técnico Dorival Júnior. “Confio nos meus jogadores e sei que a equipe pode produzir mais do que vem apresentando”, afirmou o treinador, antes de acrescentar: “O trabalho tem sido feito com seriedade e todos estão unidos neste momento”.

Carrasco, Rafael prega respeito

Rafael Marques quer marcar em outro clássicoAndré Mourão / Agência O Dia

O Vasco foi o time brasileiro que mais levou gols de Rafael Marques. Em cinco confrontos com o rival, o atacante balançou a rede três vezes, mas nem por isso considera o adversário um freguês. Pelo contrário. Sabendo do momento difícil vivido pelo Gigante da Colina, o camisa 20 pede mais atenção ainda aos companheiros do Botafogo.

“Um clássico é um jogo completamente diferente, com outra atmosfera. Não podemos achar que o Vasco é inferior ao nosso time porque está na parte de baixo da tabela. Se entrarmos pensando assim, poderemos ser surpreendidos”, alertou Rafael.

A ‘sorte’ contra o Vasco também não deixa o jogador acomodado. Ele sabe que terá que lutar muito para manter a boa média.

“Vão ver o que sempre apresento em campo tentando ajudar o Botafogo a sair com a vitória. Nada diferente do que já se acostumaram a ver”, garantiu.

Dorival mexe e Juninho fica no banco

Dorival deixa Juninho como opçãoMárcio Mercante / Agência O Dia

Um dia após a invasão de um grupo de torcedores em São Januário, a delegação do Vasco preferiu treinar no CFZ, na Zona Oeste. Em campo, o técnico Dorival Júnior fez novos testes e prometeu alterações na equipe para o clássico de logo mais com o Botafogo. Sem André, suspenso, a principal mexida foi a saída de Juninho, que, por causa da sequência de jogos e queda de rendimento, deve ser utilizado apenas no segundo tempo.

É uma decisão da comissão técnica. A gente precisa dele para um momento importante do jogo, onde o jogador talvez possa fazer a diferença. Contra o Náutico deu certo”, lembrou o técnico Dorival Júnior.

Sem Juninho e Jhon Cley, outro que deixou o time, o treinador apostou no volante Sandro Silva e no apoiador Montoya. Ambos entraram contra o Goiás. Na lateral-direita, Nei entrou no lugar de Fagner. Na frente, o jovem Thales, das divisões de base, deve jogar no lugar de André.

Você pode gostar