Barbárie em Joinville: polícia identifica mais dez vândalos

Delegado promete indiciar 30 torcedores de Vasco e Atlético-PR pela briga na partida do último domingo

Por O Dia

Santa Catarina - A polícia de Joinville (SC) trabalha na identificação dos torcedores das facções organizadas que no último domingo promoveram cenas de selvageria na partida entre Atlético-PR e Vasco. Mais dez envolvidos foram identificados ontem por meio de fotos e vídeos. A polícia pede ajuda para encontrar outros brigões que tenham participado da violência e coloca à disposição o seguinte e-mail: denunciajogojoinville@pc.sc.gov.br.

“Não vamos divulgar os nomes deles agora para esse pessoal não se prevenir, não tentar destruir provas. Na hora certa eles serão chamados”, destacou o delegado Paulo Reis, que prevê pelo menos 30 indiciamentos no caso.

Torcedores que participaram da briga entre Vasco e Atlético-PR na Arena Joinville serão punidosCarlos Moraes / Agência O Dia

No momento, apenas três torcedores estão detidos em Santa Catarina: Leone Mendes da Silva, Jonathan Fernandes dos Santos e Arthur Barcelos Lima Ferreira, todos vascaínos. Já o torcedor do Atlético-PR Willian Batista, de 19 anos, segue internado em observação no Centro Hospitalar Unimed, em Joinville, após ser transferido do Hospital São José. O torcedor apresenta melhoras, se recorda dos acontecimentos e já está em um quarto individual.

Julgamento será na sexta

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) marcou para sexta-feira, às 13h, </IP>o julgamento em primeira instância do caso. A sessão da Quarta Comissão Disciplinar terá no banco dos réus o Atlético-PR, o Vasco, o árbitro mineiro Ricardo Marques Ribeiro e as federações do Paraná e de Santa Catarina.

A maior pena deve ficar com o Atlético-PR, mandante do jogo, denunciado pelo procurador Rafael Vanzin e que pode perder até 20 mandos de campo e levar multa de até R$ 100 mil. Já o Vasco pode ser punido com 10 partidas, além de multa de R$ 100 mil. O árbitro pode pegar um gancho de 120 dias e pagar multa no valor de R$ 1 mil.

Amanhã, em Brasília, os ministros do Esporte, Aldo Rebelo, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, receberão o presidente da CBF, José Maria Marin, e representantes do STJD e das federações para debater o aumento da violência nos estádios.

Punição para organizadas

A torcida ‘Fanáticos’, do Atlético-PR, fez um acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR) e está proibida de frequentar estádios por seis meses. Os torcedores poderão até assistir às partidas, mas estão impedidos de usar adereços da ‘Fanáticos’ ou de estender faixas e bandeiras.

No Rio, o MP vai entrar com uma ação pedindo a suspensão da Força Jovem do Vasco por até três anos. A facção é acusada de não ter cumprido o Termo de Ajustamento de Conduta e infringido o Artigo 39-A do Estatuto do Torcedor, que aborda a prática ou a incitação à violência.

Secretário exige o cumprimento das leis

As cenas de barbárie vistas em Joinville, no domingo, não vão cair no esquecimento. A promessa foi feita ontem pelo secretário do Ministério do Esporte, Antônio Nascimento, durante o fórum internacional de futebol, o Footecon, em um hotel da Zona Sul do Rio. Segundo ele, há leis suficientes no Estatuto do Torcedor para colocar os vândalos atrás das grades.

“O que aconteceu em Joinville foi uma vergonha, inaceitável. Tenho reunião em Brasília e vamos debater o assunto. Nós temos legislação, temos como punir. Não será esquecido”, garantiu.

O secretário frisou que o Brasil não necessita de novas leis e espera que práticas de segurança sejam copiadas. “O Brasil precisa cumprir as leis que existem. O torcedor pode ser excluído por até três anos, além de ser preso. Que as boas práticas como o Jecrim e Gepe sejam espalhadas pelo Brasil”, afirmou.

Jérôme Valcke garante total segurança na Copa de 2014

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, lamentou as cenas de violência registradas no último domingo na partida entre Atlético-PR e Vasco, mas fez questão de garantir que é praticamente zero a chance de acontecer algo semelhante durante o Mundial de 2014.

“Na Copa, não dizemos que não pode acontecer 100%, mas 99,99% de certeza de que não vai acontecer. De qualquer forma, é muito triste que isso aconteça”, afirmou o dirigente da Fifa no Marrocos, onde está para a disputa do Mundial de Clubes.

Valcke lembrou que as cenas em Santa Catarina poderiam ser vistas na Europa em seus piores anos: “Acho que foi o tipo de imagem que você não quer ver. Lembra péssimos tempos na Europa. E também na África. Futebol não deveria ser um espaço de briga, de guerra de fãs.”

Segundo ele, é preciso ter uma uma organização correta para que grupos não briguem. “É, definitivamente, uma questão de segurança nos estádios. Temos nossos mecanismos”, garantiu Valcke, certo de que não haverá problemas com a segurança no Mundial de 2014.

Últimas de _legado_Brasileirao 2013