Em Natal, artilheiros tentam dar a volta por cima no Fla-Flu

Magno Alves e Guerrero tentam se firmar em clássico pelo Brasileirão

Por O Dia

Rio Grande do Norte - Fla e Flu têm em comum um problema: o baixo poder de fogo. O Rubro-Negro marcou só 11 vezes, e o Tricolor, dez, em uma dezena de rodadas do Campeonato Brasileiro. No duelo de hoje, às 16h, na Arena das Dunas, em Natal, o time comandado por Zé Ricardo conta com a volta de Guerrero, enquanto o de Levir Culpi, em seu primeiro clássico sem Fred, espera o experiente Magno Alves mostre que conhece o caminho do gol.

Guerrero volta ao Flamengo, após a Copa AméricaGilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Guerrero precisa justificar o investimento — custará ao clube R$ 40 milhões ao fim do contrato de três anos. Foi nele que a diretoria do Flamengo apostou para ter um artilheiro por vocação. Em 39 jogos com a camisa 9 rubro-negra, porém, o atacante marcou apenas 13 gols. Segundo Everton, que terá como missão hoje à tarde municiar o centroavante, o peruano se cobra muito: “Posso falar isso, pois quando ele sai sem marcar fica bastante triste.”

Após passar em branco em quatro clássicos, Guerrero desencantou justamente contra o Fluminense. Depois, falhou em mais quatro, um deles contra o Tricolor.

Pelo Fluminense, Magno Alves, ídolo entre o fim dos anos de 1990 e o início de 2000, tem a missão de ocupar a lacuna deixada por Fred, que marcou seis vezes contra o Flamengo pelo Tricolor. O Magnata já balançou as redes rubro-negras quatro vezes pelo Flu: uma, em 1999, e três,em 2002. Para Levir Culpi, há vida sem Fred.

Magno Alves vai ser titular mais uma vez pelo FluminenseMailson Santana/Fluminense F.C./Divulgação

“Pensei que esse assunto já estivesse vencido. É claro que sim. Mas ele já foi, temos que olhar as outras situações. Ninguém vai apagar a imagem do Fred no Fluminense. É um ídolo do time. O Fluminense vai seguir, e novos jogadores vão surgindo. Temos que procurar outras soluções”, disse o treinador.

Ele minimizou os poucos gols marcados pela sua equipe na competição. “Pelo aproveitamento das oportunidades, estamos deixando a desejar. Mas temos qualidade para melhorar esse número</CW>”, afirmou.

Felipe Vizeu, que hoje dá lugar a Guerrero, divide a artilharia do Flamengo no Brasileiro com Alan Patrick e Willian Arão — cada um tem dois gols. Há cinco jogos, nenhum atacante balança a rede. Marcos Junior, com três, é o principal goleador do Fluminense, mas não joga hoje.

Nova chance para Mancuello

O técnico Zé Ricardo fez mistério na véspera do clássico e fechou o treino na Arena das Dunas. O interino rubro-negro testou uma mudança em relação ao time que venceu o Santa Cruz por 1 a0 na última rodada do Campeonato Brasileiro. O argentino Mancuello pode ocupar o lado direito do ataque no lugar de Marcelo Cirino.

Fora das quatro linhas, os dirigentes do Flamengo seguem trabalhando para reforçar a equipe. O clube aumentou a proposta pelo zagueiro Alejandro Donatti, do Rosario Central.

O Rubro-Negro aumentou em R$ 337 mil a proposta anterior e chegou a R$ 4,7 milhões por 50% dos direitos econômicos do argentino. Os envolvidos no negócio estão otimistas e acreditam que tudo possa ser sacramentado até amanhã.

Marcos Junior fica de fora

O Fluminense tem um desfalque de última hora para o clássico contra o Flamengo. Autor dos dois gols do Tricolor na derrota para o Santos, Marcos Junior sentiu dores no púbis e desfalca o time. Maranhão, Osvaldo e Richarlison são as opções do técnico Levir Culpi para o lugar do atacante.

O ambiente no time das Laranjeiras não é de extrema leveza. Ontem, 15 torcedores foram a sede do clube protestar contra a má fase do time. Eles levaram sacolés com líquido vermelho e pediam sangue aos jogadores do elenco.

Os principais alvos da ira dos torcedores foram o meio-campo Cícero, o goleiro Diego Cavalieri e o zagueiro Henrique. Os manifestantes ainda reclamaram do alto investimento do clube no CT da Barra da Tijuca e pediram reforços.