Derrota para o Inter faz Flamengo reduzir chances de levar título do Brasileiro

Verdão dispara e tem 77% contra 19% do Rubro-Negro; Com arrancada, Botafogo tem 65% de chances de ir à Libertadores, Flu despenca e tem 18%

Por O Dia

Rio - O tropeço diante do Internacional pode ter custado caro ao Flamengo. Após a 31ª rodada, os cariocas viram o Palmeiras se distanciar na tabela e suas chances de título ficarem reduzidas. Segundo informações do site Infobola, do matemático Tristão García, o Flamengo atualmente tem 19% de chances de levar o hepta. Líder da competição, o Verdão é franco favorito e tem 77%. Além dos dois líderes, Atlético-MG e Santos ainda tem pequenas chances de levarem a taça. O Galo com 3% e o Peixe com 1%.

Chances de título do Flamengo diminuíram Divulgação

Na briga pela Libertadores, os quatro líderes estão praticamente garantidos. Palmeiras, Flamengo e Atlético-MG tem 99% de possibilidades de terminarem o Brasileiro no G-6. O Santos vem logo atrás com 98%. O Botafogo teve uma rodada muito positiva, se manteve como quinto colocado e agora tem 65% de chances. Logo atrás vem o Atlético-PR com 40%, depois o Grêmio com 37% e o Corinthians com 36%. O Fluminense, que foi derrotado novamente, despencou na tabela, tem apenas 18% de chances de ir para a Libertadores. Ponte com 7% e Chapecoense com 2% fecham a lista dos times com chances de G-6.

Botafogo está mais próximo da LibertadoresVitor Silva / SS Press / Botafogo

A briga contra o rebaixamento também segue embolada. América-MG e Santa Cruz estão virtualmente rebaixados e contam com 99% e 98% de risco de queda, respectivamente. Logo depois vem o Figueirense com 85%. De volta à zona de rebaixamento, o Vitória tem risco de 36%. Respirando e fora da degola, após vencer o Flamengo, o Internacional ainda tem 27% de risco de rebaixamento. Em 14º, o Sport tem 20%, mais do que o 15º, Coritiba, que tem 15%. O Cruzeiro vem depois com 14%. A vitória diante do Fluminense deu um pouco de paz ao São Paulo, que agora tem risco de 4%. O risco de queda se encerra na Chapecoense, que tem remotos 1%.