Marlone faz em pênalti polêmico e, com gosto de vingança, Corinthians bate Inter

Equipe gaúcha fica em situação desesperado na luta contra a degola

Por O Dia

São Paulo - O Corinthians está vivo na briga pela Copa Libertadores e o Internacional já começa a ver a permanência na Série A do Campeonato Brasileiro como um milagre. Tudo por culpa de Marlone, que viveu um dia especial nesta segunda-feira. Vale lembrar, porém, que seu gol saiu de um lance polêmico, mas isso não apaga a boa atuação. Além do gol da vitória por 1 a 0, no estádio Itaquerão, em São Paulo, pela 36.ª rodada, ele ainda foi indicado ao Prêmio Puskás e, com sobras, o melhor em campo.

Marlone concorre ao gol mais bonito da temporada pela jogada feita diante do Cobresal, do Chile, no dia 20 de abril, pela Libertadores, quando o meia dominou uma bola de peito e acertou belo voleio. Nesta segunda-feira, não teve nenhum lance digno de Puskás, mas o atacante fez com que o Corinthians chegasse aos 54 pontos, um a menos que Botafogo e Atlético Paranaense, que está no G6. Já o Internacional continua com 39 e precisa de uma combinação de resultados para escapar da queda.

Os torcedores corintianos presentes no Itaquerão não escondiam o sentimento de vingança. Pareciam mais interessados em ver o Corinthians afundar ainda mais os gaúchos do que ver seu time de coração na Libertadores.

Tanto que passaram vários momentos fazendo cânticos lembrando a possibilidade do time gaúcho cair e exibiram faixas com frases como "Lembram 2007?" e "Desliguem o DVD, acordem na Série B", fazendo relação ao fato do time colorado ter perdido para o Goiás no Brasileirão daquele ano, resultado que colaborou na queda do Corinthians para a Série B.

Dentro de campo, os jogadores pareciam sentir o clima pesado do jogo. Muitas disputas duras, algumas até desleais e pouco futebol. O Corinthians precisava vencer para não ver o G6 se afastar. O Internacional via os três pontos como uma possibilidade de sonhar em se safar da queda.

O técnico Lisca, debutante nesta segunda-feira, vai receber R$ 1 milhão para salvar o Internacional. No banco de reservas, deu seu show, pulou, gritou e não ficou parado um minuto sequer. Mas toda a sua energia não contagiava os atletas.

O Corinthians foi quem ditou o ritmo da partida, principalmente no primeiro tempo, só faltou caprichar na finalização. Talvez pela indicação ao Prêmio Puskás, Marlone parecia mais leve e se movimentou bastante, sendo um oásis no deserto. O resto do time não estava no mesmo ritmo.

No segundo tempo, o lance capital da partida. Após cruzamento para a área, Romero se jogou e o árbitro paranaense Rodolpho Toski Marques marcou pênalti de Ernando, erroneamente. Aos 10 minutos, Marlone bateu rasteiro e abriu o placar. Um lance claro, mas que ninguém do Internacional se deu ao trabalho de reclamar. Talvez tenham jogado a toalha e admitido que a Série B é o caminho.

O Internacional partiu para o ataque, desorganizado. E deu até para o Corinthians promover duas estreias, de Jean e Léo Jabá.