Por pedro.logato

Rio - Maior vencedor de Copas do Mundo, o Brasil precisou passar primeiro pelo trauma de 50, no Maracanã, para dar início à hegemonia no futebol. Em cada uma das cinco conquistas, os craques fizeram a diferença e ajudaram a encantar torcedores de cada canto do planeta. Os heróis são inúmeros e o país do futebol pode ganhar mais alguns em 2014. Primeira tricampeã e tetra, e única penta, a Seleção agora tenta a conquista inédita em casa para ser hexa e aumentar a vantagem sobre a Itália (quatro vezes campeã).

1958

Na primeira conquista, o mundo foi apresentado à dupla Pelé e Garrincha, que encantou a todos na Suécia e deu início à hegemonia do país no futebol. Mas no início os dois craques eram reservas da equipe de Vicente Feola. Após a estreia (3 a 0 sobre a Áustria), a Seleção empatou com a Inglaterra (0 a 0) e precisou mudar. Foi então que Pelé e Garrincha ganharam uma chance contra a União Soviética (2 a 0) para nunca mais saírem. Nas quartas de final o País de Gales deu trabalho e Pelé fez seu primeiro gol em Copas do Mundo para garantir a classificação. A semifinal foi com goleada por 5 a 2 sobre os franceses. Na final, o Brasil não pôde usar a camisa amarela — a mesma dos donos da casa — e teve que comprar às pressas um novo uniforme, em azul. Em campo, novo show da dupla e goleada por 5 a 2 para garantir a primeira estrela.

Pelé é o único tricampeão mundial como jogadorEfe

1962

A base campeã foi mantida no Chile e o Brasil estreou contra o México com nove titulares da final de 58 (somente a dupla de zaga foi trocada: saíram Bellini e Orlando para Mauro e Zózimo jogarem). Após vitória por 2 a 0, o time de Aymoré Moreira empatou sem gols com a Tchecoslováquia e sofreu um duro golpe: Pelé sentiu lesão muscular e não jogou mais. Sorte que o substituto Amarildo manteve o nível do Rei, fez dois gols e garantiu a difícil vitória por 2 a 1 sobre a Espanha, que levou a Seleção às quartas de final. Após passar pela Inglaterra (3 a 1), o Brasil encarou os donos da casa na semifinal e venceu por 4 a 2. Na decisão, a Seleção voltou a encarar a Tchecoslováquia e desta vez a história foi diferente: a vitória por 3 a 1 consagrou uma geração e principalmente Garrincha, o grande craque da Copa, que assumiu a responsabilidade sem Pelé e deu show no Chile.

1970

Na Copa do Mundo considerada a melhor da história, uma legião de grandes jogadores foi até o México para ver um verdadeiro show do Brasil. Em uma equipe cheia de craques, Pelé & Cia. começaram a encantar o mundo já na estreia, goleando a Tchecoslováquia (4 a 1). Contra a Inglaterra não foi tão fácil, mas o talento pesou na vitória por 1 a 0. O triunfo sobre a Romênia (3 a 2) só serviu para confirmar o favoritismo do time de Zagallo. Nas quartas de final, vitória por 4 a 2 sobre o Peru, comandado por Didi e que derrubou a Argentina nas Eliminatórias. O Uruguai foi o adversário mais duro — e violento —, mas incapaz de parar o Brasil na semifinal (3 a 1). Quis o destino que a decisão fosse contra a Itália. Dois bicampeões e quem vencesse levaria a Taça Jules Rimet. A soberania do Brasil, primeiro tricampeão mundial de futebol, ficou evidente com goleada por 4 a 1.

Romário foi o cara em 1994Alexandre Cassiano / Agência O Dia

1994

Uma Seleção desacreditada e que sofreu para garantir vaga na Copa do Mundo. Mas foi essa equipe — longe de ser do nível das de 70, 82 e 86 — que acabou com o jejum de 24 anos nos Estados Unidos. Liderado por Romário, o Brasil venceu a Rússia por 2 a 0 na estreia e Camarões por 3 a 0. Depois de o time de Carlos Alberto Parreira empatar com a Suécia (1 a 1), sucederam-se jogos dramáticos. Nas oitavas de final, classificação suada sobre os donos da casa: 1 a 0. Nas quartas, o Brasil abriu 2 a 0, mas levou o empate da Holanda e foi salvo por uma bomba de Branco. A semifinal contra a Suécia também foi definida nos últimos minutos (1 a 0). Mas nada supera o drama da final, a primeira decidida nos pênaltis, após mais de 120 minutos de 0 a 0. Então, brilhou a estrela de Taffarel, que pegou duas cobranças e viu Roberto Baggio isolar a última.

Ronaldo foi o artilheiro da Copa de 2002Ernesto Carriço / Agência O Dia

2002

De novo o Brasil chegou desacreditado à Copa do Mundo e fez história ao se tornar o primeiro pentacampeão. Na primeira vez em que a competição foi disputada na Ásia, Ronaldo ressurgiu de duas cirurgias no joelho direito e retribuiu a confiança que recebeu do técnico Luiz Felipe Scolari ao ser um dos destaques na Coreia e no Japão ao lado de Rivaldo. A estreia não foi fácil e a vitória por 2 a 1 sobre a Turquia só veio com um pênalti inexistente. Depois, duas goleadas sobre China (4 a 0) e Costa Rica (5 a 2). A Bélgica deu trabalho nas oitavas de final, mas o 2 a 0 nem se compara com a dificuldade passada diante da Inglaterra nas quartas (2 a 1), com um gol chorado de Ronaldinho. Na semifinal, os turcos voltaram a complicar, mas o bico de Ronaldo garantiu a Seleção na decisão. No primeiro confronto da história das Copas com a Alemanha, o Fenômeno garantiu o penta com dois gols.

Você pode gostar