Nosso convidados: A força dos elefantes

Preocupada em salvar seus animais, potência na África, Costa do Marfim, quer fazer boa campanha na Copa do Mundo

Por O Dia

Costa do Marfim - Quem pensa que um elefante, com suas cinco toneladas, é um animal lento está enganado. Apesar de ingerir mais de 100kg de alimento por dia, pode atingir a incrível velocidade de 40km/h, bem perto dos 43,9km/h alcançados pelo velocista jamaicano Usain Bolt.

País de Drobga é uma das seleções mais fortes da ÁfricaReprodução Internet

Mas o que os bichos têm a ver com a Costa do Marfim? Além da grande quantidade de elefantes no país, o animal é o símbolo da seleção marfinesa de futebol, que busca sua melhor participação em Copas no Brasil.

Nos últimos anos, o número de elefantes no país diminuiu bruscamente por causa da caça predatória em busca de marfim. O comércio ilegal movimenta mais de R$ 20 bilhões por ano e tem na Ásia um grande consumidor. Saindo da savana e entrando nos gramados, a seleção caiu no Grupo C ao lado de Colômbia, Japão e Grécia. Com uma boa safra de craques experientes, como Yayá Touré e Drogba, os Elefantes têm boas chances de passar de fase pela primeira vez.

País tenta salvar os seus animais Reprodução Internet

Ex-colônia francesa, o país fez um pedido formal à comunidade internacional, em 1985, para que fosse chamado apenas de Côte d’Ivoire (Costa do Marfim em francês), mas na prática a medida não deu certo e cada país dá sua versão, sempre traduzida ao pé da letra.

Drogba é o craque da Costa do MarfimDivulgação

Sua economia, com base no café e cacau, é uma das mais prósperas da região. Por isso, cerca de 20% da população economicamente ativa vêm dos vizinhos Libéria, Burkina Faso e Guiné. O petróleo também é uma grande fonte de renda na Costa do Marfim, assim como a indústria têxtil.

Últimas de _legado_Copa do Mundo