Parreira acredita em apoio dos brasileiros: 'Ninguém é contra a Seleção'

Coordenador reforçou o favoritismo da seleção brasileira comandada por Felipão e afirmou que o Brasil já colocou a mão na taça

Por O Dia

Rio - Entre protestos de professores e festa por parte da torcida, a seleção brasileira chegou à Granja Comary já como campeã no quesito confiança. Com oito Copas no currículo, com direito ao título em 1994 como treinador, o coordenador-técnico Carlos Alberto Parreira reforçou o favoritismo do “timaço” comandado por Luiz Felipe Scolari e afirmou que o Brasil já colocou a mão na taça pela preparação para o Mundial em casa.

“A primeira coisa é ganhar fora do campo e isso não é fácil porque envolve muitas questões. Mas nós conseguimos e já estamos com a mão na taça”, afirmou Parreira, que não hesitou quando perguntado se o próximo campeão mundial havia chegado ontem na Granja: “Chegou e bem chegado”.

Para o coordenador, a comissão técnica precisa passar confiança para os 23 convocados, que nunca foram campeões mundiais. “Se nós disséssemos que não tínhamos confiança de ganhar em casa, que repercussão negativa isso teria com o torcedor, com a mídia e com os jogadores? Nós, como comandantes, confiamos neles. Temos a zaga mais cara do mundo. Temos jogadores experientes, de qualidade, respeitados no futebol mundial”, enfatizou.

Parreira mostra confiança pelo Hexa%3A 'Mão na taça'Divulgação

Apesar de tanto otimismo, Parreira sabe que é preciso comprovar em campo o seu poder. “Quantos favoritos já fracassaram? Em 2002, 90% da mídia dizia que Argentina e França eram apontadas como favoritas pelo seu retrospecto e não passaram da primeira fase. Não basta ser favorito. Tem que ir a campo e exercer esse favoritismo”, alertou.

A partir do dia 12, diante da Croácia, o Brasil tentará conquistar o título no Brasil, após o Maracanazo em 1950. “Das grandes seleções, a brasileira é a única que não ganhou como país-sede. Queremos reescrever essa história com uma vitória em casa”, avisou Parreira.

“O POVO VAI APOIAR”

O ônibus da Seleção chegou em Teresópolis em meio à manifestação de professores, que comparavam o seu salário com o do craque Neymar. Mas, para Parreira, o time brasileiro tem o apoio da população. “O povo vai apoiar durante toda a Copa do Mundo. Ninguém está contra a seleção brasileira. E a prova foi dada. O coronel nos falou que, ao longo dos 100 quilômetros percorridos até aqui, o povo aplaudia e apoiava o tempo todo. Cada um vê o lado que quiser”, comentou o coordenador.

Neymar versão turbinada

Neymar chega à Copa do Mundo em versão turbinada. Se o atacante voou em campo na Copa das Confederações e conduziu a Seleção ao título, mesmo antes de estrear pelo Barcelona, agora o craque terá muito mais a mostrar, segundo Parreira. Para o coordenador-técnico do Brasil, um ano de experiência internacional ao lado de Messi & Cia trouxe reconhecimento e bagagem ao camisa 10:

“Ele volta muito mais experiente, sem dúvida alguma conhecido e reconhecido internacionalmente, talvez entre os três melhores jogadores do mundo. Para nós foi muito importante que ele tivesse saído após a Copa das Confederações, após ter sido escolhido o melhor jogador do torneio. Ele volta com muito mais consistência.”

Marcelo se apresenta

Vencedor da Liga dos Campeões da Europa com o Real Madrid, com direito a gol na final, o lateral-esquerdo Marcelo embarcou ontem para o Brasil e deve se apresentar hoje na Granja. “Chegou a hora, tô indo pra casa”, escreveu o jogador em seu Instagram.

Para o coordenador Carlos Alberto Parreira, o fato de o jogador se apresentar após os companheiros não vai alterar em nada o planejamento da Seleção: “O Felipão o deixou a vontade. Poderia até ficar mais um dia em Madrid se quisesse. Mas, por iniciativa própria se apresenta amanhã (terça) na hora do almoço”.
Em abril, Marcelo deu um susto ao sofrer uma lesão na coxa esquerda e ficou três semanas parado, mas se recuperou a tempo de jogar sua primeira Copa.

Últimas de _legado_Copa do Mundo