Sobrenome, número 13 e gols: o que faz Muller ser tão especial para os alemães

Quarenta anos após Gerd conduzir a Alemanha a um título mundial, país vê o 'pouco ortodoxo' Thomas como principal arma na busca pelo tetra

Por O Dia

Salvador - Os alemães não costumam ser supersticiosos, mas ter um Muller vestindo a camisa 13 do país numa Copa remete a felizes lembranças de 40 anos atrás. Na Copa de 1974, a liderança de Gerd Muller conduziu o país ao seu segundo título mundial. Em 2014, os campos brasileiros já tiveram um aperitivo do que Thomas Muller é capaz, com três gols diante de Portugal na estreia vencedora dos europeus por 4 a 1, colocando-o como principal arma na busca pelo tetra.

Thomas Muller, de 24 anos, disputa a segunda Copa da carreira e na África do Sul-2010 foi escolhido a revelação do torneio. Ele e Gerd não têm parentesco, mas apresentam semelhanças que vão além do sobrenome: ídolos do Bayern de Munique, o mesmo número 13 às costas pela seleção alemã e o faro de gol aguçado.

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

Gerd e Thomás têm papeis especiais na AlemanhaDivulgação

"Estou confiante que Thomas Muller vai superar a marca de Ronaldo em Copas (o brasileiro tem 15 gols e o alemão, oito). Ele é jovem e ainda tem possibilidade de jogar mais duas ou três edições", avaliou Gerd Muller, 14 gols em Mundiais, apostando na qualidade de seu xará.

A versatilidade da atual seleção da Alemanha tem em Thomas Muller um de seus alicerces. Na teoria, ele é o único atacante do esquema promovido pelo técnico Joachim Low. Na prática, ele abre espaços pelas pontas, pode centralizar na área quando o ataque for pela lateral ou auxiliar os pontas na troca de passes, além de executar funções defensivas.

"É um jogador pouco ortodoxo", avalia Low, citando a facilidade que o jogador tem para atuar em funções diferentes. "É difícil prever para qual lado ele vai se movimentar, mas ele faz isso de forma objetiva. É isso que o torna tão perigoso, principalmente dentro da área", completou o treinador após a vitória sobre Portugal, em Salvador, com três gols do camisa 13.

VEJA MAIS: Confira a tabela e a classificação da Copa do Mundo

A forma dinâmica, porém imprevisível, de atuar está relacionada à formação no futebol. Thomas Muller é fruto das categorias de base do Bayern, que revelou outros pilares da atual seleção alemã, como Philipp Lahm, Mats Hummels e Bastian Schweinsteiger.

Ao contrário de outros clubes referências na formação de jogadores, como Barcelona e Real Madrid, que chegam a ter mais de 70 jovens, os alemães trabalham com um número reduzido, com até 14. O lema do programa é "ter o melhor desenvolvimento da juventude em clube de futebol". O crescimento não é só físico, mas tático, com métodos que fazem os garotos entenderam o futebol, em vez de apenas jogá-lo.

Müller tem se destacado na AlemanhaEfe

Muller é de Weilheim, cidade a 50 quilômetros de Munique, e passou a integrar a base do Bayern desde 2000, antes de completar 11 anos. Sua evolução foi gradual e com presença constante nas categorias inferiores da seleção alemã. Nove anos depois, ele assinou seu primeiro contrato profissional. O jogador esperava ser emprestado para ganhar rodagem, mas o técnico Louis van Gaal o quis no elenco principal.

O impacto foi imediato e Muller chamou a atenção também de Joachim Low, que o convocou à seleção principal em outubro de 2009, mas a estreia teve de ser adiada já que o amistoso contra o Chile não ocorreu por conta da morte do goleiro Robert Enke, que cometeu suicídio. Um ano depois, o meia do Bayern se consagraria como um dos artilheiros da Copa na África do Sul

Fora de campo, Thomas Muller é discreto, mas considerado um ótimo companheiro de time pelo bom humor. Em campo, é usado de forma variada por Pep Guardiola, sua última temporada pelo Bayern foi muito boa (26 gols em 51 jogos), mas isso não o coloca como astro principal. Seu futebol colaborativo permite que seja ofuscado muitas vezes por Robben e Ribery, mas sem perder o brilho.

Por seleção ou clube, Thomas Muller não costuma ter atuações fora da série, mas sua eficácia tem tudo para colocá-lo entre os grandes da história do futebol alemão.

Reportagem: Thiago Rocha

Últimas de _legado_Copa do Mundo