Capello discorda de quem vaiou Bélgica e Rússia: 'Jogo foi excelente'

Treinado não gostou das criticas dos torcedores que chegaram a gritar 'times sem vergonha'

Por O Dia

Rio - O duelo entre Bélgica e Rússia, decidido com um gol nos minutos finais a favor dos belgas, tirou a pacência de boa parte dos torcedores que estiveram presentes no Maracanã neste domingo e gerou vaias, as quais foram consideradas injustas pelo técnico da seleção russa, o italiano Fábio Capello. "Na minha opiniao, o jogo foi excelente. Jogamos muito bem, com uma ótima intensidade, e devido a essa intensidade erramos tanto, e eles, também.

Capello discorda que a partida foi ruim Reuters

Acho que essa opiniao deve ser aceita como qualquer outra, mas na minha foi um jogo muito intenso e muito interessante", argumentou Capello em entevista coletiva. Com o empate com a Coreia do Sul na estreia e a derrota deste domingo, a Rússia se encontra em situação complicada no grupo H da Copa do Mundo. Entretanto, o treinador da equipe preferiu minimizar os resultados e valorizar a atuação dos atletas nos dois jogos.

"Sinceramente, estou muito feliz com o jogo e com o que a equipe apresentou. O placar não foi justo. A verdade é que perdemos muitas oportunidades de vencer. Foi um belo jogo, as duas equipes tentaram vencer e infelizmente a Bélgica acabou conseguindo", comentou o italiano.

"Jogamos boa parte do tempo na defesa, mas tivemos oportunidade claras no primeiro tempo. Erramos o último passe e demos alguns chutes precipitados, mas a equipe no segundo tempo teve posse de bola, foi quase dona do campo. O problema é que a Bélgica é perigosa quando contra-ataca", completou.

Assim como aconteceu na estreia, Capello voltou a receber críticas por ter demorado a mandar Alan Dzagoev a campo. O meia substituiu Oleg Shatov aos 38 minutos do segundo tempo e criou boas jogadas, embora tenha ficado marcado por ter perdido a bola na origem do contra-ataque em que a Bélgica marcou o gol da vitória.

"Coloquei Dzagoev quando achei que poderíamos vencer o jogo. Como estávamos jogando perto da área, ele poderia fazer o último passe, mas ficou claro que sofremos no contra-ataque. Mas não foi culpa dele. Nós atacamos para ganhar. Criamos lances perigosos, chances de gol, e achei que seria o caso de ter um jogador como ele", justificou.

Para se classificar sem depender de outros resultados, a Rússia precisará torcer para que a Argélia derrote a Coreia do Sul ainda hoje e ainda bater a presentante africana na última rodada, na próxima quinta-feira. Embora as chances sejam remotas, o técnico não joga a toalha.

"Claro que (ainda acredito na classificação). Vamos aguardar o próximo jogo. Mas o que temos de mais importante é que voltamos a disputar uma Copa depois de 12 anos. É importante ver o nível neste tipo de competição. No primeiro jogo, como já disse, pagamos o preço de uma estreia após tanto tempo", salientou.

Últimas de _legado_Copa do Mundo