Fantasias colorem arredores do Mané Garrincha antes de Brasil x Camarões

Seleções se enfrentam nesta segunda-feira em Brasília

Por O Dia

Brasília - De Zé Bonitinho a Fuleco que se transforma em bola de futebol, de belas torcedoras em busca de ingressos a um casal de Wallys. A fauna do entorno do Mané Garrincha é variada. Há até quem trouxe camarão frito de casa para provocar os rivais. No carnaval da Copa, perucas e fantasias colorem ainda mais o mar verde e amarelo que prometre inundar, daqui a pouco, o estádio em Brasília, onde a Seleção enfrenta o Camarões às 17h, pela vaga nas oitavas de final.

Karla Oliveira, 29 anos, e Fernanda Resende, 32, desfilavam perto das longas filas que esperavam a abertura dos portões. A dupla chamava a atenção, mas o charme não funcionava como argumento na hora de pechinchar ingresso no mercado negro.

Fantasias fizeram sucesso em BrasíliaEfe

"Estão vendendo por R$ 1000, R$ 1500. Eu pago no máximo R$ 400", disse a bela loira, em missão não tão bonita.

VEJA MAIS: Confira a tabela e a classificação da Copa do Mundo

Se as meninas brasilienses tentavam, em vão, assistir ao primeiro jogo delas em Copas do Mundo, Adelson Reis, 52 anos, funicionário público de Natal, tinha o ingresso no bolso. Só lhe falta, aliás, o bilhete da final, do qual ele ainda não desistiu. Experiente em Mundiais, desde 2006, na Alemanha, acompanha a Seleção, sempre fantasiado de Zá Bonitinho, personagem humorístico da TV.

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

"Sou amigo do Jorge Loredo (que interpreta Zé Bonitinho). Só não tenho o glamour dele. Mas sou fã. Comecei a me fantasiar assim há 15 anos, quando ganhei R$ 3 mil num concurso de fantasias no carnaval de Pernambuco. Troquei até de carro."

O casal Marcel Bittencourt, 35 anos, e Maria do Carmo, 29, ambos biólogos, vieram de Goiânia para assistir à partida. A discrição ficou em casa.

"Isso aqui é pra acharem a gente na arquibancada", disse Marcel, vestido de Wally, assim como a namorada.

O uniforme era completo: camisas e gorros listrados em vermelho e branco e óculos típico do personagem de livros infantis.

Para completar o caldeirão de variedades, Noéli Pimentel sacou um camarão frito da bolsa: "É para comer hoje", brincou a torcedora.

Últimas de _legado_Copa do Mundo