Por fabio.klotz

Rio - Os ingleses inventaram o futebol, embora não sejam tão bons no esporte. Com a Inglaterra eliminada da Copa do Mundo, o país vai ser lembrado por outra criação: o "brunch", que consiste numa mistura de almoço (lunch, em inglês) com café da manhã (breakfast). No sábado, o Brasil encara o Chile, às 13h, em Belo Horizonte, e vai ter de fazer modificações no cardápio. A programação está definida, e o horário não é uma preocupação para a comissão técnica.

Oscar está acostumado a jogar em horários como o do jogo contra o ChileAndré Mourão

“Faremos a refeição às 10h, um almoço com café da manhã. Eles devem despertar por volta das 9h e comer mais carboidratos do que o normal”, explicou José Luiz Runco, médico da Seleção.

O volante Paulinho, que sofre a ameaça de ser barrado, não acha que o horário possa ser uma desculpa para qualquer resultado ruim: “Vivi isso na Europa. Lá, tem jogo ao meio-dia. No começo é difícil pela alimentação, você não sabe se toma café ou almoça. Mas isso é para as duas equipes”, afirmou o jogador do Tottenham, da Inglaterra.

Oscar disse que também não é uma novidade na sua vida, mas se mostrou um pouco incomodado com o horário da partida.

“Vamos tomar um café da manhã reforçado. Já estamos mais acostumados por causa da Europa. Mas prefiro jogar à tarde ou à noite. É um horário mais normal para as partidas”, ressaltou o meia do Chelsea, que não se preocupa com o sol.

“Sou branquinho, mas não costumo passar protetor.”

Jogador mais forte da equipe, Hulk não vê problema e já pensa até no cardápio para sábado.

“Temos de comer uma massa, um espaguete, antes do jogo. Tem de ter o carboidrato que precisamos para a partida”, ensinou.

Você pode gostar