Uruguai vence 'final' contra Itália, avança e mantém vivo o fantasma de 1950

Godín foi o herói dos uruguaios ao marcar o gol aos 35 minutos do segundo tempo

Por O Dia

Rio Grande do Norte - Foi na raça, na transpiração e na emoção. O Uruguai arrancou, de fato, a classificação para as oitavas de final ao bater a Itália por 1 a 0 faltando somente 10 minutos para o fim do duelo. Godín foi o herói da Celeste ao aproveitar cobrança de escanteio e mandar para o fundo da rede. A Arena Dunas se transformou no Estádio Nacional de Montevidéu diante da festa de arrepiar dos uruguaios presentes no estádio. A vaga era sul-americana e o fantasma de 50 continua vivo.

O resultado deixou a seleção uruguaia na segunda colocação do Grupo da D, atrás da Costa Rica. A Celeste espera a definição do Grupo C para saber o seu adversário na próxima fase da Copa do Mundo. A partida será no Maracanã, palco do título urguaio de 50, às 17h, no sábado.

FOTOGALERIA: Confira as imagens da vitória do Uruguai

Jogadores comemoram junto da torcidaReuters


LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

O JOGO

Como era esperado, o jogo começou com muita marcação e algumas faltas duras. O Uruguai tomou a iniciativa, mas quem teve a primeira boa chegada foi a Itália. Em cobrança de falta, Pirlo obrigou Muslera a mandar para escanteio. A Celeste até rodeava a área azzurra, mas não conseguia concluir em gol.

Depois da metade do primeiro tempo, os italianos passaram a controlar mais o duelo, arriscaram alguns arremates de longe e construíram uma boa jogada aos 29. De Sciglio fez o cruzamento. Immobile apareceu livre, mas isolou.

Apesar do domínio, o Uruguai chegou mais perto de abrir o placar. Buffon salvou a Itália duas vezes, em dois chutes de Lodeiro à queima-roupa. Os primeiros 45 minutos terminaram com a Azzurra tendo mais posse de bola 58% contra 42% do Uruguai, mas finalizando menos: 6 a 5 para Celeste.

Na volta para segunda etapa, Cesare Pandrelli sacou Balotelli e colocou Parolo. Oscar Tabárez também mexeu no time. Lodeiro saiu para entrada de Maxi Pereira.

Precisando da vitória para se classificar para as oitavas de final, o Uruguai partiu para cima. Logo no início, uma polêmica. Cavani foi derrubado na área por Bonnuci. O árbitro mandou a jogada seguir para desespero dos uruguaios.

A Celeste continuou pressionando. Em seguida, Christian Rodríguez fez boa jogada pela ponta esquerda, passou por dois marcadores, mas chutou para fora. Para melhorar a situação do Uruguai, Marchisio foi expulso por entrada dura em Arévalo Rios aos 14 minutos. A partir deste momento o jogo virou ataque contra defesa. A Itália se protegia como podia. E os sul-americanos atacavam em bloco.

Nesta hora brilhou a estrela de Buffon. Suárez aproveitou o bate-rebate na entrada da área, soltou a bomba e o goleiro italiano praticou um milagre. Com a vaga em jogo, os nervos estavam à flor da pele. Luisito chegou a morder o zagueiro Chielini, que retribuiu com uma tentativa de cotovelada. A sorte deles é que árbitro não viu.

Logo depois da confusão, escanteio para o Uruguai. Godín, na sua especialidade, subiu mais que todo mundo, a bola bateu nas costas do zagueiro, mas foi como uma cabeçada e entrou: 1 a 0. A Arena Dunas se transformou no Estádio Nacional de Montevidéu, diante da festa de arrepiar dos uruguaios na arquibancada.

A Itália foi para o tudo ou nada e deixou espaços. Suárez desperdiçou a chance de matar o jogo ao se enrolar com a bola. No fim, a Celeste conseguiu segurar o triunfo e mostrou ao mundo que o fantasma de 50 ainda está vivo.

ITÁLIA 0 X 1 URUGUAI:

Gols: Godín (35'2ºT)

Público: 39.706 presentes

Estádio: Arena Duas

Cartões Amarelos: Balotelli (Itália), Álvaro González (Uruguai), De Sciglio (Itália),

Cartões Vermelhos: Marchisio (Itália)

Itália: Buffon, Barzagli, Bonucci, Chiellini; Darmian, Veratti, Pirlo, Marchisio, De Sciglio; Immobile (Cassano) e Balotelli (Parolo).

Uruguai: Muslera, Martín Cáceres, José Giménez, Godín, Álvaro Pereira (Stuani); Arévalo Rios, Álvaro González, Cristian Rodríguez, Lodeiro; Cavani e Luis Suárez.

Últimas de _legado_Copa do Mundo