Por pedro.logato

Rio - Muita gente ressalta a falta, em jogos da Seleção, de torcedores mais animados, íntimos de arquibancadas. Mas nossa torcida tem outro desfalque grave, as belas e desinibidas moças que, em trajes sumários e pintadas de verde e amarelo, marcavam presença em partidas disputadas no exterior. Elas garantiam nossa animação diante da TV, eram um contraponto àqueles sujeitos que se acham muito engraçados vestidos de Obelix, vaca ou galinha ou que exibem, orgulhosos, a cabeça adornada por um sugestivo chapéu de chifres

Torcida feminina tem sido pouco frequente em jogos do BrasilRodrigo Stafford

Pelo visto, aquelas jovens auto-exiladas não dão bola para o país de origem, não querem nada com este lado do mundo que as viu nascer e florescer. São brasileiras, com muito orgulho, com muito amor, fazem sempre questão de ressaltar a denominação de origem. Mas demonstram que não querem passar sequer uns dias por aqui. De vez em quando, permitem a apenas a vinda de suas imagens.

Com a ausência delas, nossa torcida ficou ainda mais chocha. Caberia ao Itamaraty organizar missões de repatriamento, criar estímulos para a volta, ainda que temporária, de nossas patrícias. Ofereceria passagens, hospedagem, alimentação, ingressos para os jogos. Ao longo de décadas, apresentamos o Brasil como terra de gente bonita, animada, capaz de fazer festa mesmo sem pretexto. Hoje, entregamos ao exterior cenas de uma plateia compatível com a de uma ópera no Municipal. Querem que nossos jogadores se animem com o Fuleco?

Além de ficarmos sem nossas belas torcedoras, ainda fomos invadidos por hordas de conquistadores. Ao contrário dos franceses e holandeses do Brasil Colônia, eles vêm em busca de outras conquistas — o pior é que, pelo entusiasmo de muitas moças nativas, eles têm sido bem-sucedidos. A situação é tão grave que tem brasileiro falando inglês de Joel Santana para ver se não volta pra casa sozinho. Como viangança, cariocas despeitados e solitários já ameaçam chamar de ‘marias-passaporte’ as jovens que não resistem aos gringos.

Você pode gostar