Por ulisses.valentim

Recife - Não é um clássico do futebol, não vai ter nem sequer um craque em campo e muito menos é o jogo mais esperado desta Copa. Zebras ou não, Costa Rica e Grécia fizeram por merecer e hoje, às 17h, vão brigar por uma vaga nas quartas de final. Se o futebol-arte promete passar longe da Arena Pernambuco, Mauro Shampoo, que entende bem de jogo com baixo nível técnico, garante: “Não vai faltar vontade, nem emoção”.

Cabeleireiro, homem e artista de cinema. É desse jeito que o excêntrico cabeludo se apresenta. Mas é o passado nos gramados que o torna famoso em Recife. Mauro Shampoo foi o camisa 10 do histórico Íbis, que, com a marca de 55 derrotas consecutivas em 1984 entrou para o Livro Guinness dos Recordes como ‘o pior time do mundo’.

Mauro Shampoo garante que Costa Rica e Grécia será um duelo feioCarlos Moraes

“De futebol ruim eu entendo, pois em dez anos marquei apenas um gol e nem foi filmado. Sou o símbolo do pior time da história do Brasil”, disse Shampoo, que avalia o confronto de logo mais: “Comparados com outras seleções, Costa Rica e Grécia são o Íbis dessa segunda fase. São times ruins, que tiveram sorte. Não vai ter muito brilho, vai ser feio, mas não vai faltar vontade. No fim, a Costa Rica fará um golzinho chorado e se classificará”.

Mauro nunca recebeu dinheiro como jogador. Para sustentar a família, venceu o preconceito e há 30 anos é dono de um salão de cabelos temático de futebol, orgulhosamente rebatizado de Arena Shampoozão. “Aprendi a cortar cabelo sem curso e faço com muito alegria”, explica. O corte custa R$ 30 e, em média, dez clientes aparecem por dia. “É um dinheirinho bom para viver”, garante.

Se nunca viveu dias de glória e nem disputou Copa do Mundo, Shampoo exibe na parede suas maiores relíquias: fotos com famosos em seu salão, reportagens sobre a época de jogador e até mesmo um retrato de um encontro com Pelé e Maradona. “Foi muito especial, três camisas 10 históricos do futebol”, gaba-se.

Você pode gostar