Mais Lidas

Estação Maracanã: A pobreza do nosso futebol

Vai ser duro trocar os craques internacionais por nossos atletas

Por fabio.klotz

Rio - A presença de quatro seleções latino-americanas nas quartas de final desta Copa pode dar a impressão de que o futebol praticado por essas bandas melhorou. Nada disso, apenas produzimos bons jogadores, que, desde muito cedo - e cada vez mais cedo - ajudam a tornar mais interessante o futebol europeu.

Messi é exemplo de atleta que vai bem cedo brilhar na EuropaReuters

Até a Costa Rica, que desta vez estreou no grupo das oito melhores da competição, tem muitos dos seus titulares atuando do outro lado do Atlântico. É só compararmos a Liga dos Campeões da Europa com a Libertadores para constatarmos o abismo entre os dois continentes.

Levantamento publicado no ano passado pela consultoria internacional Deloitte mostrou que apenas três clubes brasileiros estavam na relação dos 50 que mais faturaram em 2012. O Real Madrid, o primeiro da lista, embolsara 5,4 vezes mais que o mais rico dos brasileiros, o Corinthians, o equivalente a R$ 1,541 bilhão contra R$ 283 milhões. A posição dos clubes brasileiros é incompatível com a nossa economia, a sétima do mundo, e com nosso mercado publicitário, grande fonte de receitas do esporte.

Claro que há outros fatores que devem ser considerados, mas é absurdo que o futebol pentacampeão mundial viva numa situação tão precária, em que times da Primeira Divisão nem sequer conseguem pagar em dia o salário dos atletas. E isso não é por incompetência, muito pelo contrário: a estrutura adotada por aqui costuma ser ruim para os clubes e muito boa para dirigentes e outros envolvidos nos negócios do futebol. Esse povo sabe muito bem o que faz.

O governo deveria condicionar a concessão de algumas benesses aos clubes (como abatimento em dívidas) a mudanças em suas estruturas. O que não dá é para achar normal que o Campeonato Brasileiro seja disputado por uma penca de bons veteranos, algumas jovens revelações e um bando de esforçados. Vai ser duro, semana que vem, trocar os craques internacionais por nossos jogadores. Se eu fosse estádio ou bola, faria greve contra essa invasão bárbara.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia