Mais Lidas

Felipão mantém confiança na Seleção: 'Nosso novo sonho é o terceiro lugar'

Treinador tenta minimizar derrota para a Alemanha e despista sobre qualquer posição no cargo após o término do Mundial

Por rafael.arantes

Rio - A derrota para a Alemanha frustrou o Brasil, mas a confiança da comissão técnica permanece. Na coletiva ao lado de toda a comissão técnica, o técnico Luiz Felipe Scolari minimizou o vexame no Mineirão e prevê a equipe preparada para alcançar uma nova meta: a terceira colocação na Copa do Mundo.

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da seleção brasileira na Copa do Mundo

A partida que vale o terceiro lugar acontece às 17h de sábado, no Estádio Nacional, mas a preparação se mantém igual. Felipão evita definir qualquer tipo de culpado para a derrota por 7 a 1 para a Alemanha e garante que a caminhada continua com a mesma intensidade.

"Tivemos uma derrota ruim, tivemos seis minutos que tivemos uma pane geral. Agora vamos trabalhar para montar o time para o jogo de sábado, que também passa ser importante para nós. Um novo sonho que temos: terminar a Copa em terceiro lugar", disse.

Felipão afirmou que o Brasil quer terminar Copa com vitória no sábadoAndré Luiz Mello

Outra coisa exaltada por Felipão é a união de toda a delegação brasileira. Após ter os companheiros de comissão ao seu lado durante a coletiva que, inicialmente, concederia sozinho, o técnico reforçou que a parceria de todo o grupo é mais um diferencial da Seleção.

"Em princípio, eu tinha dito que viria aqui para conversar com vocês. Existem dúvidas, mas tenho dados que podem explicar. Mas todo mundo da comissão quis estar aqui. Todos querem estar juntos num momento bom, como num ruim. Eu sei o que aconteceu, sei o que é a mancha, sei o que é a vergonha. Isso não vai sair de mim, mas eu vou seguir a minha vida e meus jogadores vão seguir a deles. A vida segue e vamos buscar outros objetivos e o primeiro é ser terceiro lugar no sábado. A vida precisa disso. Temos de seguir esse caminho. Eu tenho que agradecer ao meu grupo e aos meus jogadores. Há um ano e meio a gente vem jogando e com um bom retrospecto", completou.

Otimismo?

Trabalhamos com otimismo, sim. Temos dados que provam que depois da Copa das Confederações tivemos nove vitórias e uma derrota. Tínhamos tudo tranquilo, um esquema de jogo preparado. Nós não esperávamos o resultado de ontem, que foi um fiasco em razão do número de gols. Naturalmente que, pelo resultado ter sido com um número resultado de gols, ficará para a história. Mas não esqueçam que, depois de 2002, foi a primeira fez que chegou à semifinal.

Apoio da CBF

Nos deram todas as condições. As melhores que imaginávamos. Temos um compromisso com a direção da CBF até o fim do Mundial. Não vamos discutir isso de hipótese alguma antes deste jogo de sábado.

Toda a comissão técnica do Brasil esteve presente em coletiva na GranjaAndré Luiz Mello

Significado do próximo jogo

Temos uma nova final agora, que é pelo terceiro lugar.

Bate-papo com o grupo

Nós chegamos de madrugada e só nos vimos agora ao meio-dia e não falamos nada. Falar sobre o jogo não vale a pena.

Apagão no primeiro tempo

Eu também não sei o que aconteceu naqueles seis minutos. Até os dez minutos iniciais estava tudo igual, até com uma superioridade nossa. Um vacilo em bola parada, depois um vacilo na saída de bola. Não adianta... A pane foi geral. Ninguém entendia o que estava acontecendo e como a equipe da Alemanha é boa, aproveitou a oportunidade. Podíamos ter perdido por um ou dois, mas acabamos perdendo por algo inesperado, sim.

Reflexo no elenco

Aconteceu, mas a partir de agora não será nada. Os jogadores serão os mesmos, continuando evoluindo e crescendo dentro da profissão. Provavelmente muito desses jogadores estarão em 2018, já com essa bagagem diferente das que nós tínhamos.

Bernard sem treinar

São 28 jogos que treinei a equipe e o Bernard, no mínimo, estava em 24. Ele sabia perfeitamente como iríamos jogar e o que nós queríamos. Se nós usamos a imprensa eu peço desculpas. Vocês não nos usam nunca.

Novos talentos

O Brasil revela bons jogadores, mas também temos que entender que muitas dessas revelações se iniciam aqui e vão para o estrangeiro muito cedo. No futuro, poderá haver uma lei nova e diferente da atual em que as possibilidades de permanência desses jogadores mais novos sejam maiores.

Elogios para Alemanha

A seleção do Löw, que vem desde 2006, vem trabalhando bem e ele chegando a semifinais sem ter vencido também. Chegaram, agora, à primeira final, mas é um trabalho de sequência. A Alemanha vem seguindo bem e evoluindo. Quem sabe a gente, com o Gallo fazendo isso com os jovens, não seja um início de certa renovação para a próxima Copa do Mundo.

A torcida

Eu sei que os sentimentos se misturam hoje. Mas tudo aquilo que temos recebido e o carinho que foi nos dispensado sempre foi espetacular. O que o Brasil passou ao mundo com o país foi maravilhoso. Se tivéssemos perdido por um poderíamos dizer que foi bom.

Treinos

O número de treinos não mudou, foi praticamente o mesmo. Temos um planejamento de trabalho que é consistente e fechado. Tudo é planejado por toda a comissão técnica. Tanto pelo departamento médico, como pelo físico.

Olhar da CBF

Logo quando o jogo acabou o presidente estava lá e falou com todos. Também tivemos a presença do Cafu que abraçou todos e tudo mais. O próprio presidente pediu para conversar com os jogadores sozinho e reforçou todo o apoio e a confiança que tem no grupo da seleção brasileira.

Polêmica 

O único título de Santa Catarina no Brasil quem deu fui eu. Ele tem que ajoelhar e pedir bênção a mim. Não vou discutir com presidente de Federação nenhuma.

Jogo de sábado

As características de jogo da Argentina são diferentes das da Holanda. O que nós temos pensado e vamos trabalhar a partir da reunião que vamos ter é vermos as condições deste grupo. E aí vai uma questão particular: coloco em campo a equipe que perdeu ou já entro em campo com outro time para observação já para o futuro? É uma coisa que vamos trabalhar em grupo. Não tomo nenhuma decisão sozinha, mesmo sendo eu o responsável.

Goleiros

Qualquer um que entrar vai representar muito bem. Os três estão numa fase espetacular. Os jogos mostram o Julio assim e os treinamentos comprovam a qualidade de Jefferson e Victor.

Fator casa

Penso que jogar em casa com o comportamento que o torcedor teve é para o bem. Eles foram fantásticos. Mesmo quando o jogo contra a Alemanha estava 5 a 0 o comportamento da torcida seguiu espetacular. É claro que quando tomamos o sexto gol teve um lado mais de tristeza e revolta. Mesmo assim, no dia a dia, as notas e e-mails que recebemos são de muito apoio. Então, não foi ruim jogar aqui no Brasil. Foi ótimo e mostramos, ainda assim, muito mais ao mundo que podemos receber muito mais aqui no nosso país.

Causa do vexame

Não tem justificativa nenhuma.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia