Por felippe.franco

Pernambuco - Nem mesmo as derrotas para a Nigéria (6 a 1) e Espanha (10 a 0) foram capazes de abalar a relação de amor e carinho entre a seleção do Taiti e a torcida brasileira. Pelo contrário. Nesta sexta-feira, a delegação taitiana foi recebida com muito calor humano no hotel no Recife, local do jogo deste domingo contra o Uruguai. Mas não foi uma recepção qualquer. Um grupo de nove pessoas com camisas vermelhas chamaram a atenção dos jogadores. Era a turma do Taitíbis, uma fusão do nome da seleção que virou xodó do Brasil com o Íbis, de Pernambuco, conhecido por ser o pior time do mundo.

Shampoo lidera torcida criada para o TaitiAndré Mourão / Agência O Dia

O técnico Eddy Etaeta foi o primeiro a descer do ônibus e de cara quebrou o protocolo ao se aproximar de torcedores e jornalistas para retribuir o carinho. Mas tomou um susto ao ver Mauro Shampoo, maior ídolo da história do Íbis, dono de uma vasta cabeleira e vestido com a camisa do Taitíbis. Simpático, o treinador comentou.

“Ah, é por causa da cor vermelha, não é? Legal!”, afirmou, sorridente.

‘EU JÁ PERDI DE 13’

Shampoo, embora não fale um palavra sequer de francês, logo percebeu que Etaeta não sabia do que se tratava a homenagem: “Ele não sabe que esse é o pior time do mundo”.

Shampoo, considerado o eterno camisa 10 do Íbis, é um ídolo às avessas, assim como o goleiro do Taiti, Mikael Roche, que levou os dez gols da Espanha. Os dois se conheceram, trocaram cumprimentos e posaram ao lado de outros membros da Taitíbis.

“Ele perdeu de 10, mas eu já perdi de 13 para o Santa Cruz. Essa marca ele não pode tirar de mim”, brincou Shampoo.

Roche, alías, não sabe se jogará. Por causa de uma dividida com Fernando Torres, ele está com a mão direita inchada e é dúvida. Apesar da contusão, Roche manteve o bom humor e agradeceu a recepção de todos, principalmente do pessoal do Taitíbis.

“Fantástico (o Taitíbis)! Fico muito emocionado. Vou fazer o possível para a gente não sofrer outra goleada”, afirmou o goleiro.

Você pode gostar