Por rafael.arantes
Rio - A falta de tempo para treinar e conhecer melhor os jogadores era a “muleta” de Jorginho para justificar as atuações capengas do Flamengo. Depois de cair precocemente no Carioca, a comissão técnica apostou na semana de treinamento em Pinheiral para levantar o futebol do time, que, em campo, na quarta-feira, tropeçou nos problemas de sempre e por pouco não complicou o que parecia resolvido.
Assim como a escalação, o futebol apresentado pela equipe não trouxe novidade em relação aos jogos anteriores. O próprio Jorginho admitiu, após a vitória sofrida sobre o Campinense, por 2 a 1, pela segunda fase da Copa do Brasil, que a atuação rubro-negra deixou a desejar.

“O mais importante foi a classificação. Sempre que possível, temos que fazer um grande jogo, ganhando. Não foi possível dessa vez. Trabalhamos muito essa semana, pensando a longo prazo. Não poderia existir relaxamento. Pedi ao Léo (Moura) concentração depois do gol, e sofremos com a falta de organização".

Jorginho segue atento aos problemas do FlaDivulgação

A expectativa da comissão técnica é que os reforços encorpem o time para o Brasileiro. Além de Paulinho, que estreou na quarta-feira, Marcelo Moreno, Diego Silva, Val e Bruninho estarão à disposição para a estreia do dia 26, contra o Santos, no Mané Garrincha. A diretoria afirma ainda que anunciará em breve um lateral-direito, cujo nome é mantido em sigilo.

Publicidade
Enquanto isso, o clube tenta negociar Ibson e Alex Silva, que está perto de acertar com o Corinthians. O Flamengo deve desistir do quadrangular em Belém com Vasco, Remo e Paysandu. Para a diretoria, os R$ 600 mil que o clube receberia não compensam a baixa qualidade técnica da competição.