Por rafael.arantes

Rio - Insatisfeito com as atuais condições do acordo com o Consórcio Maracanã, o Flamengo enviou uma nova proposta de acordo para os responsáveis pela gestão do estádio em busca de algumas alterações nos detalhes do vínculo, no entanto, ainda sem previsão de uma resposta. Com o interesse declarado em que o clube jogue mais vezes na cidade, o governador chegou a ligar para o presidente do Consórcio, João Borba, para intermediar uma negociação.

Presidente do Fla e governador Sérgio Cabral se reúnem no Palácio GuanabaraAndré Mourão / Agência O Dia

Numa reunião com previsão de meia hora de duração, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, e o governador Sérgio Cabral conversaram por cerca de uma hora sobre a atual gestão do Consórcio responsável pelo Maracanã numa tentativa de fazer a equipe da Gávea atuar mais vezes no estádio. Na saída da encontro, Bandeira de Mello explicou o andamento do caso e afirmou que o desejo do clube é de atuar no Maracanã, no entanto, com melhores condições para o clube, entre eles, a mudança nos gastos operacionais do estádio e a divisão da renda dos jogos.

"Reafirmamos o interesse de jogar no Maracanã e queremos entrar em entendimento com o Consórcio, em um acordo que tem grandes condições de sobreviver. O Governador ligou para o presidente do consórcio e fez um apelo para que ele estudasse os termos que o Flamengo propôs. A proposta que enviamos tem detalhes que aprendemos nos jogos que fizemos. Não queremos levar vantagem, mas queremos condições que nos permitam sobreviver", afirmou.

Consórcio continua no comando

Se as atuais condições continuam desagradando constantemente o Flamengo, a ideia em ter a união dos quatro grandes clubes cariocas para gerir o estádio ainda não será colocada em pauta. De acordo com Bandeira de Mello, mesmo com a boa experiência de Vasco, Flamengo, Fluminense e Botafogo em organizar seus jogos em Brasília, o projeto ainda não está sendo discutido e a gestão do Consórcio continuará ativa.

"Se esta ideia vier a compor a pauta de negociações será mais para frente, depende de um acordo entre Governo e Consórcio. Por enquanto o Consórcio continua e estamos negociando com ele. Devemos ser otimistas e esperar que haja um entendimento", disse Bandeira, que ainda explicou os motivos para que o acordo inicialmente exaltado pelo clube agora seja criticado de maneira intensa.

Reunião tem cerca de uma hora de duraçãoAndré Mourão / Agência O Dia

"Era um acordo geral e quando chegamos nos detalhes vimos que não era o que esperávamos. É natural que aconteça isso quando se firma um acordo em linhas gerais. Precisamos detalhar mais e fizemos uma proposta que minimize uma dupla interpretação", concluiu.

A expectativa do Flamengo é de que possa contar com mudanças nos detalhes de seu acordo com o Cónsórcio Maracanã. Uma das maiores insatisfações do clube é quanto à renda líquida dos jogos e a alteração da divisão da renda de maneira igual possa dar fim ao incômodo rubro-negro, além de outros detalhes não revelados.

Você pode gostar