Os guerreiros de Jayme no Mengão

Técnico promete um Flamengo destemido e lutador para derrotar o Botafogo e a crise

Por O Dia

Rio - O ar sereno e o olhar tranquilo não podem ser confundidos com submissão. No cargo de técnico do Flamengo, mesmo que ainda interinamente, Jayme de Almeida não tem a mesma grife de seu antecessor, mas fala com a propriedade de quem conhece o Flamengo de corpo e alma. Por isso, não admite que o time seja visto com desdém. Mesmo diante do Botafogo, vice-líder do Brasileiro, ele quer ver o Rubro-Negro honrar sua grandeza histórica, sem temer o adversário jamais.

Jaime comanda treino do FlamengoMárcio Mercante / Agência O Dia

“É um jogo muito importante, e um resultado negativo seria muito ruim para nós. Vamos jogar 180 minutos, temos que usar a cabeça. O Flamengo é um time forte, independentemente do que se fale ou pense. Eu vou forte, sem medo. O Flamengo não pode ter medo de ninguém. Temos que respeitar o Botafogo, mas jogar e ganhar”, disse Jayme, que mostra estar de braços dados com seus jogadores para o que der e vier.

“O Flamengo vai lutar muito. Não no desespero, mas com organização. Se depender de mim, ninguém vai denegrir a imagem do clube e dos jogadores. São pessoas sérias e têm que ser respeitadas. Vamos com tudo”, emendou.

Quando se pensa no nome de um treinador para ser o sucessor de Mano Menezes, conhecer o Flamengo é pré-requisito do perfil traçado pela diretoria. Abel Braga, que já passou pelo clube, foi procurado, mas recusou a proposta. A solução pode estar dentro de casa. Jayme defendeu o manto como zagueiro de 1973 a 1977 e está no comissão técnica desde 2010, quando voltou para ser auxiliar de Vanderlei Luxemburgo. Antes, porém, trabalhou com Junior, em 2004, e passou pelas divisões de base.

“Conheço como funciona o clube e como a torcida entende que o time tem que se portar. Às vezes você não joga bem, mas não pode faltar luta. Muitos que não eram craques foram ídolos aqui. E outros famosos chegaram aqui e não conseguiria andar”, disse.