Fla adota a tática do erro zero contra o Z-4

Time recebe o Criciúma em duelo direto pela fuga da Série B e Felipe pede atenção total no Maracanã

Por O Dia

Rio - O Flamengo pode, no domingo, contra o Criciúma, no Maracanã, entrar na zona de rebaixamento do Brasileiro pela primeira vez desde a 10ª rodada. E Felipe, que conhece bem o drama de cair para a Série B, teme que, caso isso aconteça, o Rubro-Negro não tenha forças para sair dela. Faltam só 15 jogos, e o goleiro prega a filosofia do erro zero para evitar o pior. O Fla é o 16º com 27 pontos, e os catarinenses estão em 17º, com 25.

Felipe quer ver o Fla com vontade para melhorar no BrasileiroAndré Mourão / Agência O Dia

“É uma decisão porque se perdermos, entraremos na zona, já no meio para o final do campeonato. Time grande quando entra na zona, começa a dar tudo errado. Há tempos estamos beirando a zona”, disse Felipe, que deseja ver o time com atitude.

“O jogo é em casa, temos que trazer o espírito da Copa do Brasil. Chamar o torcedor, que foi muito importante na quarta-feira. Depois vamos pegar o Coritiba e teremos quatro jogos em casa para sair dessa situação”, emendou. Na verdade, depois do Coritiba, o Flamengo pega o Vasco no Mané Garrincha.

Quando fala em trazer para o Brasileiro o espírito da Copa do Brasil, Felipe deixa no ar a dúvida: por que o Flamengo não repete as boas atuações da competição de mata-mata na de pontos corridos? Para o goleiro, não pode haver essa diferença:

“A gente pode jogar assim todo jogo. Não pode só dar a vida na Copa do Brasil porque são dois jogos. No Brasileiro tem que dar também. Fizemos um grande jogo contra o Cruzeiro e depois perdemos para o Corinthians por 4 a 0. Não pode haver dois Flamengos. Tem que ter uma cara. Acho que o time tem que tomar uma espetada, um susto.”<MC0>

Felipe era o goleiro do Corinthians em 2007, quando o time paulista foi rebaixado. Embora a queda tenha marcado o início da reconstrução do clube, que nos anos seguintes ganhou do Estadual ao Mundial, o camisa 1 não acredita que o Flamengo precise cair para resolver seus problemas.

“É bom aprender com o erro dos outros. Nem sempre você precisa andar para trás para depois ir para frente. Rebaixamento é ruim e não é porque caiu que depois vai dar tudo certo”, afirmou o goleiro.