Por pedro.logato

Rio - Foi o vice-presidente geral e de património histórico do Flamengo, Walter D’Agostino, autor do vacilo que fez uma troca de e-mails entre dirigentes do clube se tornar pública. O dirigente, desembargador respeitado, com 78 anos, se enrolou na hora de encaminhar a troca de e-mails, que acabou enviada para 50 destinatários diferentes.

Walter D’Agostino%2C ao lado de Zico%2C é vice do patrimônio históricoDivulgação

O erro de D’Agostino expôs a discordância entre o advogado Michel Asseff Filho, que defende o Flamengo no caso André Santos, e o vice de marketing, Luiz Eduardo Baptista. O primeiro considerou precipitada a atitude da diretoria de criticar o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) em nota oficial.

Na troca de mensagens, marcada pelo respeito entre as partes, D’Agostino defendeu a tese de Asseff Filho e enalteceu o desempenho do advogado no julgamento. Este, por sua vez, ficou lisonjeado com os elogios.

LUIZ ANTONIO SE QUEIMA

Outra crise que estourou durante as férias foi a ação movida por Luiz Antonio para conseguir o encerramento do contrato com o Flamengo. Segundo um dirigente, o jogador cobra “migalhas do passado, que nem sabemos se existem mesmo, mas nada que justifique o pedido de rescisão.”

De acordo com esse integrante da cúpula rubro-negra, o volante usa a suposta dívida para renegociar o contrato. O cartola afirma ainda que o clube preparava uma proposta de renovação com reajuste salarial, mas deve desistir de fazê-la por causa da ação.

Você pode gostar