Por pedro.logato

Rio - A noite foi insone para a maioria dos jogadores do Flamengo. E o raiar do dia trouxe a sensação de ressaca. Se uma eliminação traumática na Libertadores serve de aprendizado, o Rubro-Negro vende lições acumuladas no atacado. Entre os brasileiros, é o clube que mais vezes caiu na primeira fase da competição — quatro. Isso sem contar o vexame diante do América do México em 2008. O título carioca, domingo, contra o Vasco, virou consolo, remédio contra depressão.

O empate bastará ao Flamengo, que busca a sua 33ª taça. Porém, será preciso mais do que a terapia do Estadual para preencher o vazio deixado pelo fracasso num Maracanã lotado por 60 mil torcedores.

“Nada substitui. Queríamos muito essa Libertadores, até mais que os torcedores talvez. Mas um título é algo que nos dá ânimo e força para encarar o ano. Um ano não pode se encerrar com uma competição. A pressão vem de fora, mas temos que nos blindar”, disse André Santos.

Flamengo busca o 33º título do CariocaDivulgação

Atordoado, o lateral-esquerdo chamou o algoz de “Rei Leão”, logo após a derrota. Nesta quinta, com a cabeça mais fria, não repetiu a gafe, mas o abatimento era o mesmo da noite anterior.

O León deu uma aula de futebol ao Flamengo. Com toque de bola e organização, envolveu facilmente os donos da casa, que buscavam na correria de Everton, Gabriel e Paulinho alcançar uma classificação aparentemente provável depois da vitória sobre o Emelec, em Guaiaquil. Só esqueceram de combinar com o time mexicano.

“É até difícil explicar. O León foi aguerrido, jogou futebol, e não conseguimos encaixar a marcação. A ansiedade em jogos como esses acaba atrapalhando. Não conseguimos fazer a pressão que deveríamos”, concluiu o camisa 27.

Diretoria mantém Jayme e promete reforços

O vice de futebol do Flamengo, Wallim Vasconcellos, garantiu que a eliminação precoce na Libertadores não deixa Jayme de Almeida ameaçado no cargo. Segundo o dirigente, o título da competição sul-americana este ano nunca foi uma promessa:

“Não tem por que trocar o Jayme. Perdemos um jogo atípico. Os dois primeiros gols que tomamos normalmente não acontecem. Depois, não conseguimos fazer o terceiro e levamos. O Jayme continua, o trabalho é de longo prazo. Não era para ser campeão do mundo em 2014. Se fosse, seria ótimo, mas não é esse o planejamento. Temos que crescer solidamente, sem achar que está tudo errado nas derrotas.”

Willam fez ainda uma avaliação geral positiva do trabalho que vem sendo feito no departamento de futebol do Rubro-Negro. Mas prometeu reforçar o time para o Campeonato Brasileiro:

“A avaliação do trabalho é boa. Ninguém gostou da eliminação, mas temos que ver onde os erros aconteceram e precisamos melhorar. Vamos trazer peças e olhar para a frente”.

Fla estreia no Brasileiro em Brasília

O Flamengo anunciou que mandará seu primeiro jogo pelo Brasileiro, contra o Goiás, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. A diretoria repete a fórmula de 2013, que trouxe receitas, mas também resultados negativos em campo. A partida está marcada para 20 de abril, às 18h30.

O clube não poderá contar com o Maracanã em outros três jogos, quando o estádio estará liberado para os preparativos da Copa do Mundo: São Paulo, na quinta rodada, Bahia, na sexta, e Figueirense, na oitava. O duelo com o Bahia deve ser realizado na Arena da Amazônia.

Você pode gostar