Alecsandro comenta que prefere não traçar metas no início do Brasileirão

Atacante diz que não gosta de falar em números para evitar cobranças caso time não consiga os resultados desejados

Por O Dia

Rio - Atual campeão Carioca, o Flamengo estreia no Campeonato Brasileiro contra o Goiás, neste domingo, às 16h, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Um dos líderes do elenco rubro-negro, Alecsandro acredita que o time não tem que traçar metas nesta primeira parte da competição, que vai até a nona rodada, e sofre uma paralisação, em virtude da Copa do Mundo, que começa no dia 12 de junho, e só retorna no dia 16 de julho, após o Mundial.

Artilheiro do Flamengo na temporada, atacante não pensa em metas na primeira parte do BrasileirãoAlexandre Brum / Agência O Dia

O atacante deu entrevista coletiva neste sábado e revelou ser contra metas, por acreditar que ter a obrigação de atingir uma determinada pontuação pode atrapalhar a equipe, além de sofrer cobranças pelos objetivos não cumpridos. 

"Não gosto de traçar metas. É um negócio arriscado. Nós já sofremos uma cobrança muito grande ai você vai falar e projetar alguma coisa que na realidade o Campeonato nem começou é complicado. Aumenta uma cobrança, com certeza se não ganharmos seis jogos como o Wallace falou ele vai ser cobrado. Vão dizer que o time está mal e tudo mais, por isso prefiro não falar em números", disse o camisa o camisa 19.

Alecsandro pensa de maneira diferente de Wallace. Recentemente, o zagueiro declarou que o Flamengo teria que vencer seis, das nove partidas iniciais do Brasileirão, até a pausa para a Copa do Mundo, para abrir vantagem em relação aos outros times que sonham ser campeão. O começo forte serviria para a equipe liderar logo a competição. 

Aos 33 anos, Alecgol, como é chamado pelos torcedores, já está acostumado a jogar o Campeonato Brasileiro. Ele sabe que o torneio é nivelado, com inúmeros times podendo conquistar o título. 

"Se você pedir a 100 pessoas para dizer quem pode ser campeões brasileiro todo mundo vai colocar uns 11, 12 times. Todos de Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Porto Alegre estarão. Isso é normal pela história do futebol. São todos clubes campeões E ainda podem aparecer as surpresas como no ano passado. É muito forte!", concluiu o jogador.