Por pedro.logato

Rio - A primeira experiência foi mal sucedida. Restam quatro jogos para Ney Franco tirar suas conclusões sobre o elenco do Flamengo, antes da paralisação para a Copa do Mundo. A necessidade de reforços salta aos olhos, mas, como o dinheiro anda curto na Gávea, o treinador precisa estabelecer prioridades. Nesta quarta, contra o Bahia, às 19h30, em Macaé, ele testará esquema e escalação novos para tentar resolver problemas como a falta de gols e a deficiência da defesa na bola aérea. Segundo Leonardo Moura, o time precisa aceitar a má fase e jogar de acordo com ela.

Ney Franco tem seu segundo desafio pelo Flamengo nesta quartaCarlos Moraes / Agência O Dia

“A gente não vive um bom momento. Quando a fase não é boa, o melhor é defender como time pequeno e depois pensar em atacar”, disse.

O esquema com dois centroavantes foi reprovado. Desta vez, Ney apostará em Elano para preencher o vazio criativo da derrota para o São Paulo. Hernane, que ontem apareceu com uma bota ortopédica na perna direita por causa de uma torção no tornozelo, pode ficar fora dos jogos antes da Copa. A dúvida está na proteção à zaga. Cáceres será titular ao lado de Amaral ou de Márcio Araújo.

“O Ney está procurando a melhor formação, teve poucos dias para trabalhar. Ele vai tentar colocar o que acha que tem de melhor no momento. Nós demos muito espaço ao São Paulo. Independentemente de quem entrar, temos que acertar para não darmos o mesmo espaço para o Bahia”, analisou o lateral-direito.

Com quatro pontos em cinco jogos e apenas quatro gols marcados, todos no mesmo jogo, o Flamengo causa arrepios na torcida. O capitão, no entanto, mantém a calma:

“Ninguém queria começar o campeonato dessa forma, mas se chegarmos bem no final, ninguém vai lembrar disso. Lógico que não é para deixar para o final, mas ainda dá tempo de recuperar.”

Treino expõe deficiência pelo alto

Ney Franco interrompe o treino, orienta, posiciona jogadores e mostra paciência a cada treino. E vai precisar mesmo de tal virtude. Alguns problemas, de longe, parecem incorrigíveis. Um deles é o desempenho do sistema defensivo na bola aérea.

Nesta terça, no Ninho do Urubu, o técnico colocou Mattheus para cruzar de falta na área. Na primeira, o meia cobrou errado, por baixo. Nas duas seguintes, quando conseguiu levantar a bola, Arthur fez de cabeça.

Você pode gostar