Queda de Ney Franco no Flamengo já é quase anunciada

Demissão do técnico só depende de a diretoria acertar com substituto

Por O Dia

Rio - As próximas horas vão definir o futuro de Ney Franco no comando do Flamengo. Há sete jogos sem conquistar uma vitória, o técnico faz parte do passado para a diretoria rubro-negra, mas ganhou uma sobrevida até o clássico com o Botafogo, no domingo, porquê o clube ainda não conseguiu fechar a contratação de um novo treinador. Mesmo com um alto salário, o nome predileto é o de Tite. O ex-comandante do Corinthians, porém, não se mostrou muito interessado em assumir a missão de tirar o time da lanterna do Brasileiro. Outros nomes como Gilson Kleina, Paulo Autuori e Renato Gaúcho foram sondados e correm por fora.

Ney Franco está próximo de deixar o FlamengoDivulgação

Pressionado para fazer a equipe reagir no Brasileiro, Ney Franco vem sendo alvo de criticas de diversas correntes dentro do clube. Muitos dirigentes e conselheiros questionam o fato da equipe não apresentar um postura tática satisfatória mesmo após um mês de treinamentos durante a paralisação para Copa do Mundo. A alta rotatividade na equipe — utilizou 18 jogadores —, e a mudança sem explicação do esquema 3-5-2, que muito treinado durante a pausa para Mundial, para o 4-4-2, e a mania de improvisar jogadores.são outros fatores que provocaram a iminente saída Ney Franco.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

No comando do Flamengo desde maio, estreou na derrota para o São Paulo ( 2-0), no Maracanã, na quinta rodada do Brasileiro. De lá para cá, ele obteve um retrospecto assustador somando quatro derrotas e três empates. O elenco rubro-negro se reapresenta hoje de manhã no Ninho do Urubu e se preparar para o clássico que vale a cabeça do atual treinador.

Pedido por mudanças drásticas

O Flamengo tem que voltar a ser Flamengo. É intervir no futebol já”. O desabafo é do ex-presidente Márcio Braga, que, após reunião com Eduardo Bandeira de Mello exigiu a volta de Kleber Leite e Marcos Braz ao comando do departamento de futebol, de Isaías Tinoco à base, a demissão de Ney Franco, a diminuição do valor dos ingressos e o retorno do futebol à Gávea.

“Não é possível fazer boa gestão financeira e péssima no futebol, que é a alma desse clube. Se for para a Segunda Divisão ninguém governa isso. E nós não vamos”, frisou Márcio.