Por pedro.logato

Rio - Pelas contas de Vanderlei Luxemburgo, faltam oito pontos para o Flamengo escapar da tal confusão. Segundo o treinador, 45 é o número mágico para a salvação do rebaixamento — o Fla tem 37. A dez jogos do fim do Campeonato Brasileiro, ele muda o discurso. Se antes a Copa do Brasil parecia um estorvo na luta contra a queda, agora já é vista como a esperança de disputar a Libertadores de 2015 e, de quebra, levantar mais um caneco na temporada. Quarta-feira, o time vai para cima do América-RN, no Maracanã, pela partida de volta das quartas de final da competição.

Luxemburgo pediu atenção ao FlamengoAndré Mourão

“Quero aproveitar para convocar o torcedor para quarta-feira. O que me preocupa é o time achar que é o melhor da competição porque ganhou do Cruzeiro e entrar para jogar frouxo. O América veio aqui e tirou o Fluminense. Não adianta achar que está ganho. Quarta-feira é outro jogo, outra história”, alertou Vanderlei.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Embora o treinador tenha exaltado a atuação do seu time sobre o atual campeão brasileiro e líder da competição, ele manteve os pés no chão e ressaltou a falta que Everton Ribeiro e Ricardo Goulart fizeram para a equipe mineira ontem.

“Não acho que foi a nossa melhor partida. Para mim, foi contra o São Paulo, quando fizemos uma grande partida, com muitas coisas acontecendo naquele jogo, na casa do adversário, com o quarteto mágico (em campo). Hoje (domingo), jogamos em casa, com a nossa torcida. O Cruzeiro sem o Everton Ribeiro e o Ricardo Goulart é outra equipe”, disse.

A vitória deixou Vanderlei com humor quase de criança. Ontem, até pergunta sobre o Estadual do ano que vem ele respondeu — normalmente pede para que todos se limitem ao jogo. E, na hora que foi perguntado sobre o direito dos jogadores de comemorar a vitória de ontem, disparou mais uma de suas pérolas

“Quem é de ir pra igreja vai, quem vai pro vinho vai, quem vai pra cerveja vai, quem vai... Vai e vai também (risos)”, disse o treinador, numa autocensura bem-humorada diante das câmeras.

Você pode gostar