Por edsel.britto

Rio - O Flamengo faz hoje, às 19h30, contra a Chapecoense, o jogo da vida... de Amélia Karam. Aos 96 anos e apaixonada pelo Rubro-Negro, ela assistirá pela primeira vez a uma partida do seu time de coração no Maracanã. Uma devoção quase religiosa que se confunde com a história de amor entre ela e o marido.

Libanês, Ibrahim Karam veio para o Rio aos 17 anos, em 1924. Caixeiro viajante e remador do Flamengo, conheceu Amélia, também descendente de libaneses, numa de suas viagens a Barra do Piraí para vender tecido. Os jogos do time hoje são a conexão dela com o companheiro, morto em 1978: “Outro dia ela chorou de saudade olhando o retrato do meu pai”, disse a professora Elizabeth Karam, 67 anos, filha do casal.

Comovido, o gerente de marketing e relacionamento do Flamengo, Fred Mourão, estendeu a mão: “Ela terá contato com os jogadores na zona mista e assistirá à partida no ‘Maracanã Mais’. E faremos uma surpresa para ela”, disse Mourão.

Aos 96 anos%2C Dona Amélia irá pela primeira vez ao Maracanã para ver Flamengo e ChapecoenseAlexandre Brum

Dona Amélia anda de cadeira de rodas, mas é movida por uma fé que se manifesta em pequenos gestos. Como quando benze todos que encontra fazendo, com o polegar, um sinal da cruz no peito de cada um: "Vou fazer o mesmo com todos os jogadores”, disse a torcedora, que gosta de Léo Moura e Eduardo da Silva, é fã de Zico e se põe a rezar durante os jogos e até ao posar para foto com seus santinhos. 

Emocionada por dar entrevista, a torcedora demora a encontrar as palavras, embora sua lucidez lhe permita acompanhar as legendas da TV, já que sua audição é reduzida. Amélia também conserva a vaidade, diferentemente daquela de Mário Lago. As unhas foram pintadas de vermelho para a entrevista, concedida no Dia de São Judas Tadeu, de quem é devota.

Mãe de cinco meninas, ela insistia em ter um menino que carregasse adiante o sobrenome da família e, assim, cumprir a tradição libanesa. Na sexta gravidez, o herdeiro, nasceu morto. Apenas após fazer promessa ao santo das causas impossíveis que a rubro-negra deu à luz um garoto, Ricardo Tadeu, batizado em homenagem ao padroeiro rubro-negro. Hoje, essa fé joga a favor do Flamengo.

Titulares são relacionados para o jogo

Como prova de que considera o jogo contra a Chapecoense uma decisão, o técnico Vanderlei Luxemburgo relacionou todos os titulares que tem à disposição. Apesar de ser um dos mais experientes, o capitão Léo Moura avisou que não precisa ser poupado da partida.

“Já descansamos no jogo em Manaus (contra o Botafogo, quando sete titulares ficaram no Rio). Se vencermos, daremos um passo importante para sair da confusão. Precisamos de seis pontos em vinte e um para não ter qualquer ameaça”, disse Léo Moura. Já Everton começou tratamento intensivo para tentar se recuperar da lesão na coxa esquerda a tempo de jogar a semifinal da Copa do Brasil, na quarta-feira.

Rival de hoje foi divisor de águas do time

A Chapecoense foi responsável pela primeira derrota de Vanderlei Luxemburgo na volta ao comando do clube. Lembrança que ele não quer guardar, apesar da evolução desde aquele 1 a 0: “Depois da derrota, tivemos uma sequência boa, ganhamos para caramba (cinco seguidas). Mudou muito o ambiente, não só do grupo, mas do clube. A torcida apoiou”, disse o técnico.

Você pode gostar