Por pedro.logato


Rio - Depois do susto, o sinal de esperança. Peças importantes do esquema do Flamengo, Everton e Gabriel foram a campo ontem, correram, fizeram um trabalho físico leve e têm chances de enfrentar o Atlético-MG, pelo segundo jogo da semifinal da Copa do Brasil. Apesar da imagem animadora, não há a garantia de que os dois terão condições de atuar amanhã, no Mineirão, o que facilita a tática do mistério para tentar confundir o adversário. A única certeza é que Léo Moura, com lesão na coxa direita, está vetado.

Gabriel e Everton correram em volta do gramado do Ninho do UrubuAndré Mourão

Ao contrário do caso de Everton, que sofreu lesão na coxa esquerda na semana passada, o departamento médico rubro-negro não divulgou um boletim sobre Gabriel, que sentiu dor na coxa direita contra a Chapecoense, e de Luiz Antonio, que machucou o ombro direito. Os três fizeram tratamento.
Enquanto Everton inspira um pouco mais de cuidado, Gabriel tem mais chances de ser confirmado no time. De qualquer jeito, para deixar uma dúvida no ar, Nixon, que jogará se um dos dois for vetado, dará coletiva. Para completar, mesmo quem não tiver condições de jogar deve ser relacionado para viajar a Belo Horizonte.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

“Mistério é terrível, tudo para vocês (jornalistas) é mistério. Hoje (ontem) foi só revisão médica. Só vamos ver com mais clareza no treino de terça (hoje). Tem que ter tranquilidade para fazer as coisas certas”, afirmou Vanderlei Luxemburgo.

Independentemente de qual jogador terá à disposição, o treinador encontrará uma nova pressão. Agora fora da confusão do Campeonato Brasileiro, o Flamengo passa a sentir uma nova cobrança por parte da torcida: mais uma conquista da Copa do Brasil.

“Essa cobrança é gostosa, por disputa de título. Nós gostamos disso. Saímos da confusão e agora temos a possibilidade de conquistar um bônus. O ano que se apresentou ruim pode terminar muito bem”, frisou o técnico, que não teme a fama recente do Atlético-MG de virar jogos de mata-mata em casa.

“Essas coisas não são eternas, nada é eterno no futebol. Claro que o time deles criou essa característica, mas não temos que ficar preocupados que o adversário virou contra Corinthians ou nos jogos de Libertadores”, completou Vanderlei Luxemburgo.

Você pode gostar