Por pedro.logato

São Paulo - Aos poucos, os estrangeiros do Flamengo começam a se sentir em casa. E o futevôlei, muito praticado nas praias cariocas, serve de termômetro. Se no primeiro dia da brincadeira, Cáceres, Canteros e Lucas Mugni pareciam gringos no samba, nesta quinta-feira o trio tirou onda.

Cáceres vem se destacando no futevôleiUanderson Fernandes / Agência O Dia

"Eu só havia jogador 'piquevôlei' (antes de vir para o Flamengo). Mas é bem diferente. A rede é baixa, o jogo é na grama e pode quicar. Já joguei futevôlei com amigos no Rio. Gosto muito", disse Cáceres, que ainda não se considera um carioca da gema: "Mais ou menos (risos)."
Cáceres diz estar mais à vontade no futebol brasileiro, embora ainda sinta a diferença no rigor da arbitragem. O volante promete se esforçar para reduzir o número de cartões que leva e ainda auxilia na adaptação de Canteros e Mugni.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

"É sempre importante ter alguém que fale o mesmo idioma para se adaptar mais rápido. O Canteros está aqui há seis meses. Estou ajudando para ele se adaptar o mais rápido possível e fazer o seu jogo. Para o Mugni que falta um pouco mais, porque ele é um menino. Mas com o tempo ele vai mostrar seu futebol", afirmou o paraguaio.

No futevôlei desta tarde, Cáceres e Canteros perderam a revanche para Léo Moura e Alecsandro. Depois, o paraguaio foi derrotado jogando com Lucas Mugni e Léo Moura. Parecia que o esporte realmente não era a sua praia. Mas quando Mugni e Canteros firmaram parceria na areia, foram imbatíveis. Venceram as outras três duplas que enfrentaram e inspiraram o amigo paraguaio.

Cáceres resolvei chamar Márcio Araújo para ser seu par na disputa. E, assim como fizeram os argentinos, os dois dominaram a quadra, vencendo todas as três duplas que enfrentaram.

"É bom para descontrair e fortalecer a musculatura.Vou trabalhar para ganhar mais deles", brincou Cáceres.

Você pode gostar