Por fabio.klotz
Marquinhos é um dos trunfos do Flamengo na Liga das AméricasGilvan de Souza / FlaImagem

Rio - O Flamengo entra na Liga das Américas com a confiança em dia, reforçada por duas vitórias convincentes no NBB, sobre Paulistano e Liga Sorocabana. O peso do favoritismo não incomoda o atual campeão da "Libertadores do Basquete"

“Cada jogo é extremamente importante. Todos vão querer vencer o defensor do título. O Flamengo é a equipe a ser batida. Temos a consciência de que todos entrarão com potência máxima para nos vencer”, diz Marquinhos.

O ala vê o lado positivo do favoritismo: “Tem de servir de estímulo. Somos os donos da taça e queremos continuar com ela.”

O Rubro-Negro está no Grupo B da Liga das Américas, sediado em Cancún, no México. A estreia é sexta-feira, contra o Malvin, do Uruguai. Depois, encara o Leones de Quilpue, do Chile, e os donos da casa: Pioneros de Quintana Roo. O Fla quer acabar de vez com a instabilidade que apresentou em alguns jogos no NBB.

“Discutimos internamente o que tem de ser melhorado e ajustado. O Neto nos direciona e tentamos responder na quadra. Críticas são inevitáveis, ainda mais no Flamengo, com torcedores muito presentes. Infelizmente, como em qualquer trabalho, não estamos no melhor dia sempre. Há altos e baixos. O importante é cumprir o objetivo final”, diz o camisa 11 do Flamengo.

Foco nos rivais

O Flamengo sabe que não terá vida fácil no México, mas confia na classificação para a próxima fase da Liga das Américas.

Olivinha analisa grupo do Flamengo e mostra confiança na classificação Gilvan de Souza / FlaImagem

“O Pioneros de Quintana é um time muito tradicional do México, vai jogar com o apoio da torcida, então acho que será um duelo muito complicado. O Malvin e o Leones estão acostumados ao tipo de jogo da Liga das Américas também. As duas vagas do grupo vão ser muito disputadas, mas confio que uma delas será do Flamengo”, analisa Olivinha.

Experiência mexicana a favor do Fla

Olivinha conhece bem o México. Em 2007, o ala-pivô do Flamengo defendeu o Barreteros de Zacatecas. Ele recorda a experiência e mostra confiança em repetir a campanha da temporada passada, quando o Rubro-Negro faturou a Liga das Américas.

“Foi interessante jogar por lá, aprendi muito, foi muito legal. Sempre estou em contato com o pessoal do clube que joguei no México, eles sempre pedem para eu voltar, mas estou muito bem e feliz no Flamengo. O México é um país muito bonito, com povo acolhedor, mas vamos lá para repetir o feito do ano passado, quando vencemos os três jogos da primeira fase e passamos em primeiro do grupo. Faremos de tudo para que a Liga das Américas tenha o mesmo desfecho de 2014, quando fomos campeões invictos. Foi inesquecível.”

Você pode gostar