Fla divulga nota e repudia 'conduta grosseira' do presidente da Ferj

Clube vai acionar a Justiça em busca de reparação moral

Por O Dia

Rio - A relação entre Flamengo e Ferj azedou de vez após o arbitral realizado na tarde de sexta-feira na sede da entidade. No encontro, o presidente do Rubro-Negro, Eduardo Bandeira de Mello, deixou a sala de reunião mais cedo. Ele afirmou que foi insultado por Rubens Lopes, mandatário da Ferj. O Fla divulgou uma nota oficial em repúdio ao que chamou de "baixaria".

Presidente do Fla, Bandeira de Mello promete ir à Justiça contra a FerjUanderson Fernandes

O clube condenou a postura de Rubens Lopes, classificando-a como "ofensiva, destemperada, incivilizada e grosseira". A nota ainda afirma que o clube vai acionar a Justiça por conseguir uma reparação moral, criminal e desportiva.

LEIA MAIS: Representantes de Fla e Flu são xingados por presidente da Federação

A polêmica começou com a medida da Ferj, aprovada em arbitral, de diminuir os preços dos ingressos do Campeonato Carioca. O Flamengo, Fluminense e Consórcio Maracanã contestam a resolução da entidade. Desde então, as partes têm trocado acusações. O último episódio foi a desavença pessoal na sede da Federação.

Confira a nota oficial na íntegra

O Clube de Regatas do Flamengo repudia de forma veemente a conduta ofensiva, destemperada, incivilizada e grosseira do Sr. Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro.

Durante a reunião do Conselho Arbitral realizada na sede da FERJ na tarde desta sexta-feira, dia 30 de janeiro de 2015, em uma lamentável demonstração de desequilíbrio emocional para exercer o cargo que ocupa, atacou de maneira rasteira e infeliz a honra do presidente Eduardo Bandeira de Mello e ofendeu a instituição afirmando que o clube está "roubando" os outros filiados da FERJ através do seu Programa de Sócio-Torcedor.

O presidente da FERJ apelou para as mais sórdidas ofensas, com o uso indiscriminado de palavras de baixo calão, totalmente inadequadas às discussões em alto nível que o Flamengo tem tentado estabelecer com a entidade, clubes co-irmãos, a imprensa, governo e a sociedade civil em geral.

A falta de educação, a imprudência verbal e os maus modos são inaceitáveis e revelam um modelo de administração do esporte profissional que já não encontra espaço no mercado ou apoio da sociedade.

O Flamengo e o presidente Eduardo Bandeira de Mello trilharão os caminhos da Justiça por uma completa reparação moral, criminal e desportiva em relação aos danos que sofreram.

Por fim, o Flamengo publica esta nota com base na liberdade de expressão garantida pela Constituição Federal, que lhe assegura a prerrogativa de se manifestar contra toda e qualquer medida que afronte seus direitos.

Conselho Diretor do Clube de Regatas do Flamengo