Mesmo com acordo por partida no Maracanã, Fla e Ferj seguem em 'guerra'

Acerto sobre preços foi feito à revelia do vice de finanças rubro-negro

Por O Dia

Rio - Flamengo vai jogar no Maracanã, quarta-feira, contra o Barra Mansa. Mas apenas o setor norte estará aberto, num entendimento com a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj). Os ingressos mais baratos terão carga limitada. O esquema, a princípio, só vale para esta quarta. Perguntado se o acerto é financeiramente favorável, o vice de finanças, Rodrigo Tostes, disse não ter sido informado sobre o assunto. Sinal de que a decisão não tem a aprovação de toda a cúpula rubro-negra

Flamengo e Ferj continuam em criseMárcio Mercante

Serão mil entradas a R$ 20 (R$ 10, meia-entrada). Com o fim do lote, o preço sobe para R$ 40 (R$20, meia). Como a venda para sócios-torcedores começa antes, apenas adeptos do programa devem conseguir aproveitar a promoção. A carga total é de 22.616 ingressos, sendo 9.746 de gratuidades, cortesias e cativas.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Apesar do aparente acordo, as duas instituições continuam em guerra nos bastidores. Ontem, a Ferj disparou em nota: “A Federação vem a público manifestar-se a respeito da nota oficial publicada pelo Flamengo, onde fica claro o real objetivo da sua atual administração que, utilizando-se do grande prestígio e da credibilidade da instituição Flamengo, transforma uma iniciativa benéfica para todos os torcedores cariocas em um jogo político e de poder.”

LEIA MAIS: Notícias, resultados e bastidores do Campeonato Carioca

A nota afirma ainda que “a atual administração do Flamengo utiliza-se da mídia para incitar a torcida contra decisão legítima, estabelecida em processo democrático do qual sempre participou acatando suas decisões, em grande parte, benéficas ao próprio Flamengo.”

Na outra trincheira, a diretoria rubro-negra repudiou os atos de violência de torcedores em Macaé e exigiu apuração dos fatos: “O que nos causa maior estranheza é o fato de que, depois de um Campeonato Brasileiro sem nenhum incidente envolvendo a torcida do Flamengo, ele tenha ocorrido logo no primeiro jogo do Campeonato Carioca, justamente quando nos posicionamos contra a postura ditatorial da Federação e de termos nosso presidente ofendido publicamente pelo principal dirigente da entidade.