Sem Robinho, Fla está perto de fechar com craque guardado a sete chaves

Diretoria rejeita pedida por contrato longo e caro com o Rei das Pedaladas e prefere ir atrás de 'nome secreto'

Por O Dia

Rio - O Flamengo já não trabalha com a possibilidade da vinda de Robinho. As pretensões contratuais do Rei das Pedaladas não cabem na filosofia rubro-negra. A torcida, no entanto, pode se manter esperançosa. O clube continua em busca de um reforço de peso e tem conversas avançadas com um jogador cujo nome é mantido em sigilo. Enquanto tenta saciar a sede de craques de Vanderlei Luxemburgo, a diretoria administra a insatisfação, ainda velada, com o treinador.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Robinho era o sonho de consumo de Vanderlei. Mas o atacante, de 31 anos, quer ser contratado em definitivo e assinar um vínculo por cinco temporadas. Além disso, manteve a pedida de R$ 800 mil líquidos. As condições foram vetadas pelo departamento financeiro do clube.

Antes prestigiado, Vanderlei Luxemburgo está em rota de colisão com a diretoriaDivulgação

Ainda sem grandes reforços, Vanderlei dá continuidade à preparação para a estreia do Flamengo no Campeonato Brasileiro, contra o São Paulo, amanhã, no Morumbi. Paralelamente, lida com o ambiente cada vez mais pesado do clube. Além das divergências entre comissão técnica e departamento médico, há um descontentamento crescente da diretoria com ele.

LEIA MAIS: Notícias, resultados e bastidores do Campeonato Brasileiro

Terça-feira, Vanderlei voltou a afirmar que o time precisa de “algo mais” para brigar por uma vaga na Libertadores e pelo título brasileiro. E ainda disse ser contra a ideia de o Flamengo mandar alguns jogos fora do Rio. As declarações foram mal recebidas pela cúpula rubro-negra, segundo a qual o treinador precisa tirar o melhor do time que tem. A eliminação para o Vasco foi colocada na conta do comandante.

VEJA: Com Almir entre os titulares, Luxa testa Flamengo para a estreia no Brasileirão

A tensão entre diretoria e treinador só aumenta desde que este último tornou pública a proposta que recebeu do São Paulo. De quebra, ainda reclamou do fato de seu contrato prever como multa rescisória apenas um mês de salário, de aproximadamente R$ 400 mil. Parte do comando do clube torceu pela transferência, vista como o caminho menos desgastante para uma troca de treinador.