Dia D na busca pelo camisa 10 no Fla

Rubro-Negro tenta cartada por Ederson no fechamento da janela de transferências internacionais

Por O Dia

Rio - O Flamengo corre contra o tempo para fechar a contratação de seu último reforço na janela de transferências internacionais que fecha hoje. Trata-se do meio-campo Ederson, que teve destaque no Nice e no Lyon, da França, e hoje atua na Lazio. O clube busca um jogador com as características de um camisa 10 clássico, mas não são exatamente essas as maiores qualidades de Ederson.

Ederson está próximo do FlamengoDivulgação

“No 4-3-2-1, ele faz qualquer uma das três posições do meio. É um camisa 10 que vai bem no um contra um e chega na área. Não é um exatamente um camisa 10 clássico, de levantar a cabeça e lançar a bola. É mais força, proteger a bola e ir para dentro do adversário”, contou Juninho Pernambucano, que jogou com o meia no Lyon.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

A fragilidade física do jogador também é algo que preocupa a diretoria rubro-negra, já que na última temporada ele entrou apenas quatro vezes em campo.

“Eu esperava um crescimento maior na carreira dele. Achei que fosse deslanchar depois da convocação para a seleção brasileira. Mas lá teve lesões, uma séria (ruptura total dos músculos da coxa esquerda) e depois teve uma outra lesão na perna direita (joelho). Tem muito talento e é um profissional muito sério”, explicou o comentarista da ‘TV Globo’.

O Flamengo espera conseguir um acordo que libere o jogador sem ter que pagar pela transferência. Contudo, a Lazio faz jogo duro para cedê-lo sem custos, após desembolsar R$ 35 milhões para tirá-lo do Lyon em 2012.

A corrida contra o tempo para ter Ederson ganhou força após a saída de Eduardo da Silva, que foi jogar no Shakhtar Donetsk. No entanto, Juninho acredita que Ederson possa passar por um problema parecido com o que o croata enfrentou.

“Acho que existe o risco de ele ter jogado pouco no Brasil. Foi revelado pelo RS, time do Carpeggiani, mas logo foi atuar no Nice. Jogar em time grande brasileiro é uma pressão diferente”, advertiu.