Guerrero é a referência no novo Fla

Oswaldo de Oliveira diagnostica abatimento e tenta injetar ânimo para em sua estreia vencer o São Paulo neste domingo

Por O Dia

Rio - Oswaldo de Oliveira tem em Guerrero o ponto de partida para curar a ressaca do Flamengo. O novo treinador percebeu sinais de desânimo nos jogadores, nos primeiros dois dias à frente do Rubro-Negro. O diagnóstico é o mais óbvio possível: depressão pós-derrotas, agravada pela queda de Cristóvão Borges. Nesta sexta-feira, no Ninho do Urubu, o técnico começou a atacar os sintomas, apesar do pouco tempo que terá até a sua estreia no cargo, contra o São Paulo, neste domingo, no Maracanã. Na receita, doses de injeção de confiança e tratamento psicológico.

Guerrero é o ponto de partida para curar a ressaca do FlamengoAndré Mourão / Agência O Dia

“No time, estão certos César e Guerrero (risos)”, brincou Oswaldo de Oliveira, que também confirmou Wallace como capitão, em dia de divã para o grupo rubro-negro: “É natural que haja abatimento. Estou procurando reanimar o grupo. Mesmo os que não participaram do treino, participaram da reunião que fiz, para atacar nesse ponto de fortalecer o ego.”

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Em campo, embora sem os jogadores que enfrentaram o Vasco, Oswaldo fez tratamento de choque. Com muitos gritos de incentivo, o treinador já mostrou que, pela sua bula, o time marcará no campo do adversário, sob pressão. Os elogios a jogadas de efeito e trocas de passe em velocidade evidenciaram também o gosto do treinador pelo futebol bem jogado.

VEJA MAIS: Confira a tabela e classificação do Campeonato Brasileiro

“Marca, não deixa sair”, gritava Oswaldo para o time de laranja. A equipe de branco, no entanto, conseguiu fugir da pressão adversária com bom toque de bola e um lançamento preciso de Alan Patrick para Luiz Antonio. “Que beleza!”, vibrou Oswaldo.

O treinador receitou também que, quando houver um lateral no campo de ataque, perto da área adversária, a cobrança seja em direção da área. Matheus Sávio teve a oportunidade de colocar a instrução em prática, e o novo comandante berrou: “Bate rápido. Sobe, laranja.” A zaga afastou mal, e Jajá marcou o gol de fora da área. Oswaldo deu seu parecer: “Vocês sabem por que saiu o gol? Por causa da pressão, que fez o zagueiro errar o passe.”

As vitórias são o melhor remédio para mudar o quadro rubro-negro. E, se todos os tratamentos derem errado, o técnico conta com forças sobrenaturais: “A torcida do Flamengo é milagrosa, muda resultado, motiva a equipe.”

Rodrigo Tostes deixa a pasta de finanças do clube

Rodrigo Tostes não é mais o vice de finanças do Flamengo. O dirigente tentou, sem sucesso, encontrar uma forma de reunificar a antiga Chapa Azul, que elegeu Eduardo Bandeira de Mello. Ao escolher o outro lado, preferiu, com a concordância do presidente, deixar o cargo.

Tostes não decidiu ainda se apoiará a candidatura de Wallim Vasconcelos à presidência do Flamengo, no pleito do fim do ano. Luiz Eduardo Baptista, o Bap, também está na chapa.

Um dos principais nomes da gestão atual, Tostes desempenhava ainda papel importante no futebol na busca por reforços, principalmente depois da saída de Alexandre Wrobel da vice-presidência de futebol. O vice de administração, Cláudio Pracownik, assumirá também a pasta de finanças.