Emoção dá o tom no fim do jejum de Guerrero no embalo do funk no Maraca

Após cinco jogos sem balançar a rede, peruano tira um peso das costas e garante que voltará a dormir tranquilamente

Por O Dia

Rio - Guerrero quebrou o jejum e se emocionou. Enquanto seu funk embalava a arquibancada, o atacante sentia o peso do mundo sair de suas costas. É verdade que o camisa 9 voltou a perder gols incríveis, mas o da vitória apagou todas as falhas. Agora, o peruano pode deitar a cabeça no travesseiro tranquilo. Pelo menos até quarta-feira, quando a torcida espera que ele seja decisivo contra o Vasco, na disputa por vaga nas quartas de final da Copa do Brasil — o Fla perdeu o primeiro jogo por 1 a 0.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

“(A emoção) Era o jejum. Eu vinha tendo chances de gol, mas infelizmente a bola não estava entrando. Hoje também tive oportunidades antes de fazer o gol, e a bola não queria entrar. A bola quica muito aqui nesse campo, e não consigo finalizar do jeito que gosto. Graças a Deus consegui vencer na terceira, não podia errar”, disse Guerrero, que emendou: “Estava tirando meu sono, não estava me deixando tranquilo, não conseguia descansar. Mais ainda pelos resultados. Agora dá para descansar bem, tranquilo, porque a gente quer ganhar de qualquer jeito esse jogo na quarta.”

Após marcar contra o São Paulo e encerrar o jejum, Guerrero foi às lágrimas na comemoraçãoErnesto Carriço/Agência O Dia

O que também tem sido motivo de insônia para a torcida do Flamengo é o risco de ser eliminado pelo Vasco na Copa do Brasil. Guerrero sabe que tal pecado não será perdoado facilmente. Ele admite que a situação incomoda: “Mordido não (estamos), mas temos esse espinho que não nos deixa tranquilo. Vamos entrar muito preparados e focados para fazer um grande jogo. Temos que fazer nosso jogo, não cair nas provocações do rival. O Vasco vai tentar fazer isso, tirar nossa concentração.” 

Com pouco tempo de casa, Oswaldo de Oliveira percebe uma carga excessiva sobre Guerrero, içado a ídolo instantaneamente: “A forma que ele chegou, o auê todo, muito festejado por todos no Rio, pesou nos ombros dele, tirou um pouco a tranquilidade.”

Oswaldo de Oliveira ficou aliviado por vencer na estreia e pela injeção de ânimo no elencoErnesto Carriço/Agência O Dia

A vitória também curou a ansiedade de Oswaldo. O estreante chegou ao Flamengo em meio a uma crise e às vésperas do jogo decisivo contra o Vasco. Se o primeiro passo fosse em falso, a pressão aumentaria para o duelo de quarta-feira. Ciente de que não há pecado sem perdão nas vitórias, ele, aliviado, mostrou bom humor em relação às constantes cobranças que receberá no cargo ao sentar-se diante da imprensa, no auditório do Maracanã:“Atirem a primeira pedra!”