Fla procura motivação contra a Ponte

Tabus e desafios individuais servem de combustível para o Rubro-Negro, nesta noite

Por O Dia

Brasília - Praticamente fora da briga por Libertadores, o Flamengo procura motivação para vencer os últimos jogos do Brasileiro e, se não conseguir o milagre da competição, pelo menos ficar bem na foto para 2016. Contra a Ponte Preta, neste domingo, às 18h, no Mané Garrincha, dois tabus do clube, além de desafios individuais, podem servir de combustível ao time.

Guerrero tem a reta final da temporada para provar que não é supervalorizado. Em 17 jogos, o peruano marcou apenas quatro gols com a camisa do Flamengo. Há oito partidas, desde 23 de agosto, na vitória sobre o São Paulo pela primeira rodada do returno, que está em jejum.

Guerrero busca fim de jejumGilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

O camisa 9 recebe cerca de R$ 600 mil mensais. Além disso, já embolsou este ano R$ 4,8 milhões em luvas. No total, custou ao clube até aqui aproximadamente R$ 7,8 milhões. Com isso, cada gol dele saiu por R$ 1,95 milhão. Em dívida com a torcida, pode, hoje, começar a pagar a conta pendurada.

Jogadores que estão perto de encerrar o contrato podem mostrar serviço. É o caso de Alan Patrick, Almir, Ayrton, Marcelo, Sheik, Márcio Araújo, Pará e Armero. Pará, Alan Patrick, Everton, Paulinho e Marcelo Cirino podem ainda provar que têm comprometimento, depois de serem punidos por causa de uma festa.

Há uma década, o Rubro-Negro não ganha da Ponte. A última vez foi em 3 de agosto de 2005, no Estádio Luso-Brasileiro, pelo Brasileiro daquele ano. Jônatas marcou o gol da vitória. Desde então, as duas equipes se enfrentaram oito vezes: quatro empates e quatro derrotas do Rubro-Negro.

O Mané Garrincha também guarda um tabu: desde 2013 que o Fla não vence no estádio. Desde a reforma para a Copa, o Rubro-Negro jogou lá 11 vezes: duas vitórias, sete empates e duas derrotas.