Por fabio.klotz

Recife - Com um passe à moda camisa 10 e um toque de letra, entre outras demonstrações de talento, Mancuello confirmou sua vaga, reservada por Muricy Ramalho, entre os titulares do Flamengo. O argentino ainda não entrou na equipe principal porque sua transferência, por ser internacional, só poderá ser registrada após a abertura da janela, dia 28. Na véspera, o Rubro-Negro estreia na Primeira Liga, contra o Atlético-MG. O meia também não pegará o Boavista, dia 30, pelo Carioca, porque só estará regularizado quatro dias após a inscrição.

Mancuello agrada e enche o Flamengo de esperançaGilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

“O problema dele não é treinamento. É que ele não pode disputar um jogo oficial, por isso dificulta para ele jogar logo. Mas entrou muito bem”, analisou Muricy, depois da derrota nos pênaltis para o Ceará, na última quinta-feira.

Neste domingo, contra o Santa Cruz, Mancuello poderá mais uma vez mostrar que pode corresponder à expectativa criada pela sua contratação. Se mantiver a mesma linha de raciocínio, Muricy deve guardar o meia para o segundo tempo. Para o camisa 23, apesar do resultado, a estreia foi positiva. Principalmente depois da assistência precisa para Sheik.

“Estou feliz. Agradeço ao Muricy pela oportunidade e à torcida pelo carinho. O objetivo era ganhar. Não ganhamos, mas seguiremos trabalhando. Todos aqui estão me tratando muito bem e me sinto feliz. Vamos fazer o máximo para melhorar”, afirmou Mancuello.

A boa impressão deixada pelo principal reforço contratado pelo clube para 2016 sinaliza que o time ainda pode evoluir.

“A posse de bola do Flamengo foi pior do que a do adversário, mesmo nos jogos em que venceu no ano passado. Contra o Ceará foi ao contrário, mas o índice de passes errados é alto. É preciso melhorar muito isso. Precisamos ter jogadores que passem bem a bola”, frisou Muricy.

Guerrero está em jejum há cinco meses

Faz dez jogos e exatos cinco meses que Guerrero não marca pelo Flamengo. Embora gol em disputa de pênalti não conte estatisticamente, nem assim o peruano conseguiu balançar a rede. Muricy Ramalho mantém a fé no 9:

“Centroavante vive de gol. Incomoda quando não marca. A vida dele é fazer gol. Tentou, cabeceou, prendeu a bola e melhorou na parte física. É questão de tempo. Ele vai ter oportunidade com um time que chega bastante ao fundo.”

Você pode gostar