Por fabio.klotz
Rio - O tempo é curto. Muricy Ramalho tem, além da atividade realizada na manhã desta segunda-feira, na Gávea, apenas o treino desta terça-feira para consertar o que for possível antes da estreia na Primeira Liga, quarta-feira, contra o Atlético-MG. Vice-campeão brasileiro em 2015, o Galo venceu o Schalke 04, da Alemanha, e o Corinthians, que conquistou a principal competição nacional no ano passado. Já o Flamengo tropeçou diante de Ceará e Santa Cruz. Willian Arão admite o incômodo, mas tenta minimizar os efeitos dos dois resultados no grupo.
Willian Arão é peça-chave no esquema de Muricy RamalhoGilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

"Ninguém gosta de perder. Sabíamos que seria difícil. É preparação, começo, ainda sem entrosamento, mas temos que ressaltar as qualidades que o time demonstrou. Houve uma melhora do primeiro para o segundo jogo. Defeitos, claro, vão ter, como falta de entrosamento, mas a gente vai corrigindo aos poucos hoje e amanhã para fazer uma boa estreia e conseguir a vitória", disse o volante, autor do gol rubro-negro sobre o Santa Cruz, para quem a tendência é que o time erre menos contra o Atlético-MG.

"A tendência é que a gente possa mostrar entrosamento maior, corrigir os defeitos que tivemos nos jogos e jogar como Flamengo. É o atual vice-campeão brasileiro, está mais entrosado, junto há mais tempo, mas aqui tem jogadores de qualidade também."

A falta de conjunto, inerente a um time que está em formação e sob novo comando técnico, não permite que Muricy corrija de forma imediata problemas do passado. A fragilidade defensiva do Flamengo, por exemplo, esteve exposta nos amistosos disputados no Nordeste. Foram seis gols sofridos em dois jogos. Para Arão, um dos responsáveis pela proteção à zaga, os números indicam que o alerta precisa estar ligado. O volante, no entanto, acredita que, se apenas os titulares tivessem jogado, o desempenho poderia ter sido melhor.
Publicidade
"De certa forma preocupa. Mas cabe ressaltar também que o time mudou muito, foram dois times diferentes do primeiro para o segundo tempo. Não sei se tivéssemos mantido o time o tempo todo, se teríamos sofrido tantos gols. De modo geral preocupa, mas professor está vendo onde o time errou para consertar", analisou.