Por pedro.logato

Rio - O início de ano da defesa do Flamengo é de tirar o chapéu. Após uma breve turbulência na estreia contra o Boavista, o setor se impôs e mantém ótima média de 0,36 por partida neste início de ano sob o comando de Muricy Ramalho. São quatro gols sofridos em apenas 11 jogos pela Primeira Liga e Carioca. Porém, o sistema defensivo precisa se resguardar já que em outras temporadas a equipe conseguiu uma baixa média de gols no início do ano, mas pôs tudo a perder no segundo semestre. Para o zagueiro Wallace, a melhora do rendimento tem o dedo do treinador.

Veterano Juan retorno ao Flamengo neste anoGilvan de Souza / FlaImagem

“Ele mostrou que o sistema defensivo não fica à mercê de dois atletas. É o time inteiro, e o Muricy vem implantando isso na cabeça dos jogadores. Com isso os erros diminuem, e a equipe fica menos exposta, como aconteceu muito no ano passado. No último do jogo do Bayern, Guardiola não escalou zagueiros. O Barcelona vem atuando com um zagueiro de origem”, exemplificou o capitão.

No ano passado, o Flamengo teve bom desempenho defensivo no Carioca e terminou com média de 0,58 por jogo. Porém, no Campeonato Brasileiro a realidade se modificou e o clube teve muitos problemas com as jogadas de bola parada. A média de gols mais que dobrou e chegou a 1,39.

Em 2014, o problema se repetiu. No entanto, o desempenho defensivo não foi tão bom apesar do título conquistado. O time teve média de um gol por jogo e aumentou no Brasileirão e chegou a 1,23.

“Pior do que estava não ficava. O time tinha que evoluir. Muricy cobra de cada um cumprir sua função, e a gente se cobra para ajeitar as linhas de marcação. Pressão a gente sofre todos os anos da mesma forma”, disse Wallace.

Você pode gostar