Crise pede carona no Flamengo

Eliminação no Carioca gera preocupação nos rubro-negros

Por O Dia

Rio - Cresce, internamente, no Flamengo, a preocupação com a pressão excessiva de parte da torcida, após a eliminação do Campeonato Carioca diante do Vasco, em derrota por 2 a 0. O temor é que episódios como o da madrugada de domingo para segunda, no desembarque no Aeroporto Internacional do Rio — um grupo de torcedores cercou o ônibus da delegação rubro-negra que chegava de Manaus —, possam motivar saídas do clube e dificultar a busca por reforços. A contratação de um zagueiro voltará à pauta.

Flamengo vive momento complicadoGilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Cerca de 80 torcedores esperavam a chegada dos jogadores no aeroporto, segundo o Globoesporte.com. Ao perceber que a delegação tomou uma saída alternativa, o grupo correu para cercar o ônibus do time. O veículo foi alvo de socos e pontapés. Um policial militar efetuou disparo de bala de borracha.

No final de março, oito integrantes de uma organizada invadiram o Ninho do Urubu e cobraram jogadores e o diretor de futebol, Rodrigo Caetano, asperamente. Num clube no qual comissão técnica e diretoria se dizem partidários do profissionalismo, esses casos geram desconforto.

DIA SEGUINTE INDIGESTO

Nas redes sociais, proliferaram-se as críticas à atitude dos jogadores de entrar sem as crianças para fincar a bandeira do Flamengo no centro do campo. O time voltou à boca do túnel para buscar os mascotes depois. A efeito negativo é atribuído, no clube, à derrota, e não ao fato em si.

A ideia teria sido dos próprios jogadores. O objetivo era agradecer o apoio da torcida de Manaus, que ofereceu calorosa recepção ao time, na chegada à capital amazonense.

A partir desta terça-feira, Muricy Ramalho e o grupo do Flamengo, que se reapresenta nesta manhã, no Ninho, terá 18 dias de treinos, descanso e reflexão. O desempenho do time na Primeira Liga, no Carioca e na Copa do Brasil servirá de parâmetro.