Fla encara o Grêmio e a crise pela frente

Sem Muricy e Sheik, meta é quebrar jejum de 22 anos

Por O Dia

Rio Grande do Sul - Mergulhado na crise após a eliminação na Copa do Brasil, o Flamengo tem um difícil desafio para se reerguer. O time rubro-negro encara o Grêmio hoje às 16h, em Porto Alegre, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro, precisando da vitória para respirar ares menos carregados.

Flamengo vive momento de tensãoDivulgação

Ainda sem contar com Muricy Ramalho à beira do campo — o técnico se recupera de arritmia cardíaca —, o time também não terá Emerson Sheik que treinou ontem e, segundo a assessoria do clube, foi liberado da viagem por causa de um problema de saúde de sua mãe. A boa notícia é o retorno de Guerrero, recuperado de dores musculares.E Alan Patrick ganhará uma vaga entre os titulares.

Suportando a dor de cabeça pela terceira eliminação de uma competição no ano, o Flamengo aposta as fichas agora no Brasileiro. Mas tem que conviver com o protesto dos torcedores insatisfeitos. Depois das pichações na quinta-feira, sócios vestiram nariz de palhaço e cantaram palavras de ordem na sede da Gávea. Do lado de fora, outro grupo se juntou a torcedores com faixas. Em comum, xingamentos a dirigentes, em especial Rodrigo Caetano e Eduardo Bandeira de Mello.

Para piorar, o enorme jejum diante do Grêmio no Rio Grande do Sul pelo Campeonato Brasileiro: são 22 anos <MC0>(na Copa do Brasil de 2004, o Fla venceu por 1 a 0, gol de Zinho). O último triunfo do Rubro-Negro na competição foi em 1994, por 1 a 0, gol de <MC0>Nélio. De lá para cá, foram sete derrotas e três empates.