Com passado vitorioso no clube, Mozer promete agregar ideias ao Flamengo

Ex-jogador retorna à Gávea para ser gerente de futebol

Por O Dia

Rio - Mozer fez história no Flamengo dentro das quatro linhas e agora volta ao clube para ajudar do lado de fora. Com a responsabilidade de gerente de futebol, o ex-jogador foi apresentado na manhã desta terça-feira, no Ninho do Urubu. Feliz com o retorno, o campeão mundial de 1981 chega com o objetivo de 'agregar ideias'.

"Quero agregar ideias, Zé Ricardo está completamente receptivo a discussão que venhamos a ter. Espero que a gente consiga contribuir para o que o Rodrigo deseja. Dividir funções mais específicas, de avaliar jogadores, esquema, de achar que A, B ou C têm condições de ficar. D, E ou F podemos não precisar, porque custa entrar no processo, isso tudo é trabalho do gerente", disse Mozer, que completou:

Mozer foi apresentado no Flamengo nesta terça-feiraDivulgação

"É motivo de orgulho retornar a essa casa, cheguei aqui com 15 anos, todo percurso de aprendizagem foi no Flamengo. Tive saída em 1987 e que perdurou até poucos dias antes de voltar a esta casa. Aprendi muito na Europa como treinador, aprendi muito. A experiência que tive talvez tenha contribuído para meu regresso para partilhar essa gerência com Rodrigo Caetano."

O ex-zagueiro volta à Gávea em um momento conturbado para o Flamengo. Após as eliminações na Primeira Liga e no Campeonato Carioca, o Rubro-Negro sofreu com a saída de Muricy Ramalho e chegou até a entrar no G-4 do Campeonato Brasileiro, mas voltou a amargar derrotas consecutivas logo depois. Mozer vê o time rubro-negro em uma crescente.

"Nos dois últimos jogos tivemos 14 chances para fazer gol, no último 16. Indicador positivo de agressividade. Ter oportunidades com esse volume, é sinal de que trabalha num processo ofensivo. O Flamengo, com um treinador jovem, com absorção no profissional, está começando muito bem", analisou o ex-jogador, que relembrou os temos de glória no time do Flamengo:

"Meu momento mais marcante foi a estreia, minha estreia tinha 160 mil pessoas. Eu tinha 19 anos, ia jogar ao lado de ídolos que criei durante minha maturação no Flamengo. Depois, vieram as conquistas de Brasileiro, Libertadores e culminou com o Mundial. O processo ainda tenho presente dentro da minha mente, justamente o que vamos tentar resgatar. Essa ideia de núcleo familiar no campo."