Bandeira de Mello se defende de críticas por Fla sem estádio e projeta Maracanã

Presidente ressalta que o objetivo primário de sua gestão era pagar salários e impostos e diz que o Rubro-Negro vai brigar para ser o novo administrado do Maraca

Por O Dia

Rio - Duramente criticado por conta da falta de um lugar para o Flamengo jogar em 2016, Eduardo Bandeira de Mello se defendeu e explicou a situação. Como assumiu o clube em 2013 e a escolha da Olimpíada para o Rio já tinha sido feita em 2009, Bandeira explica que se preocupou primeiramente em ajeitar a situação financeira do Rubro-Negro e ressalta que não teria tempo hábil de construiu um estádio para suprir a falta do Marcanã.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

"Não considero algumas críticas justas. O Rio de Janeiro foi escolhido o local da Olimpíada em 2009. Mas a atual administração do Flamengo assumiu 2013. Qual seria a solução? Construir um estádio? A situação financeira que encontramos o Flamengo não nos permitia pagar impostos e e salários. Cada vez que a gente conseguia, a gente comemorava e não sabia se conseguiria fazer o mesmo no mês seguinte. Era matar um leão por mês. Nós tínhamos um planejamento também de que o Maracanã estaria disponível para os clubes até maio de 2016. Então a gente teria um curto período na preparação do estádio para os Jogos Olímpicos. Então, teríamos de buscar um novo estádio, como fizemos com Brasília e Volta Redonda até o retorno do Maracanã", afirmou o mandatário em entrevista ao 'Seleção SporTV'.

Bandeira de Mello se defende das críticas pela falta de estádio do Flamengo em 2016Divulgação

Apesar da previsão de reabertura do Maracanã ser apenas para outubro após os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, Bandeira se diz esperançoso em já no dia 25 de setembro receber o Cruzeiro no estádio. Ele também destacou que o Flamengo tem contrato com o Consórcio Maracanã até o fim de 2016 e uma mudança na administração do estádio não pode atrapalhar o clube.

"Em setembro termina a Olimpíada e os Jogos Paralímpicos terminam no dia 18 de setembro. Eu tenho esperança de no dia 25 de setembro estar jogando contra o Cruzeiro no Maracanã. Se não for contra o Cruzeiro, pode ser no jogo seguinte. Mesmo que não se defina esse imbróglio sobre a administração do Maracanã, nós temos um contrato ainda em vigor até o fim de ano com o Consórcio Maracanã e temos o direito de jogar lá".

O presidente do Flamengo aproveitou para reafirmar o desejo do clube em administrar o Maracanã. Bandeira de Mello mostrou-se confiante e deixou aberta a possibilidade de dividir o controle do estádio com o Fluminense.

"Esperamos que o Flamengo seja definitivamente o gestor do Maracanã. O Flamengo tem o interesse e toda condição para isso. Acredito que não existe nenhuma solução melhor, seja do ponto de vista técnico, seja do ponto de vista esportivo, com o Flamengo assumindo com os seus parceiros a gestão do Maracanã. Acho que será a melhor solução não só para o torcedor, como também para o contribuinte do estado do Rio de Janeiro. Afinal, o Maracanã é um ativo que pertence ao estado do Rio de Janeiro e que ao longo desses 66 anos contribuiu, de certa forma, para sangrar os cofres públicos, além de nem sempre ser bem administrado (...). Se o Fluminense quiser ser o nosso parceiro, será muito bem-vindo. Ele pode inclusive escolher se quer ser um parceiro na gestão, ou se quer ser um contratante do Maracanã, como ele é hoje com o Consórcio Maracanã. Nós temos uma excelente relação com o Fluminense e vamos nos dar muito bem nessa nova fase do Maracanã".

O Flamengo volta a jogar nesta quarta-feira contra o Santos, às 21h45, na Arena Pantanal. O time carioca está na quinta posição com 30 pontos, dois atrás do Peixe, que é o segundo colocado no Campeonato Brasileiro.